Saúde
Foto: Reprodução/ CNM

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

Para impedir a contaminação em massa por covid-19, tendo em vista os riscos que a doença apresenta para a saúde das pessoas, é fundamental seguir protocolos sanitários, sobretudo no local de trabalho, onde o trabalhador passa boa parte do dia. Josiane Dalla Rosa é técnica em segurança do trabalho, especialista em gestão de risco ocupacional e dá dicas sobre como manter uma empresa com menos riscos e explica a importância do gestor documentar todas as ações.

O primeiro passo, segundo Josiane, é focar no básico, lembrar os colaboradores sobre como a doença pode ser transmitida, através de cartazes na instituição ou até pelas redes sociais da empresa. “A gente está vivendo o ápice da pandemia e a empresa tem papel fundamental dentro da sociedade de evitar e contribuir para que os funcionários não sejam contaminados em massa dentro da empresa. Já é sabido que a gente tem como reger a saúde deles dentro da instituição, porém fora, não temos controle, cada um é dono de si e de suas atitudes, o que vai fazer a diferença de fato é a conscientização. Então todo trabalho de gestão inicia na esfera de conscientização, trabalhar sempre com a conscientização do colaborador, prevendo os riscos, falando dos sintomas”, explica.

A técnica ainda ressalta que para registrar e ter eficácia é preciso montar um Plano de Contingência para que os colaboradores adotem. “Esse plano viabiliza protocolos, orientações. Ele deve seguir os decretos atuais conforme forem se atualizando, já que em cada classificação de risco do mapa existem protocolos específicos baseados em decretos e por isso a gente fala de gestão nessa esfera, sempre atualizada. Esse plano vai conter primeiramente a transferência de informação feita com todo o material que possa ser disponibilizado”, afirma.

Depois de informar corretamente e montar o Plano de Contingência, é preciso ofertar condições para que as pessoas possam higienizar as mãos e seguir as outras regras corretamente. “É necessário dispor nos ambientes de água e sabonete líquido para lavagem das mãos, que são prioridade e partindo dessa premissa de que eu não consigo viabilizar muitas dessas coisas na minha empresa, então eu vou dispor de álcool em gel ou álcool líquido 70% e fazer com que os meus funcionários entendam que não é uma vez ao dia, é sempre. Precisa fazer higienização das mãos em tempo integral, quanto mais, melhor”, sugere.

Josiane ainda fala sobre a observação de locais em que possa haver maior exposição ao risco. Para ela, o profissional que ficar responsável pela gestão de risco deve ter sensibilidade para observar esses lugares e criar um plano bastante completo. “Cada empresa vai estudar a sua necessidade para gerenciar esses riscos também. Normalmente o refeitório de uma empresa é o local onde os colaboradores ficam mais expostos a contaminação porque é preciso retirar a máscara para fazer a alimentação e aí eu preciso reduzir o número de pessoas, dividir as turmas para manter distanciamento.  O Buffet também tem regras específicas, então vale frisar o que os decretos falam sobre essas ações e esse local já não é mais lugar de descanso”, enfatiza.

Após criação do Plano de Contingência e orientação dos funcionários vem uma parte muito importante do trabalho de gestão. Trata-se da documentação dessas medidas. Josiane explica que até o Ministério Público já chegou a pedir explicações para algumas empresas e que nesse momento é importante ter uma comprovação do que foi implantado. “As empresas têm um papel fundamental na sociedade para que a gente não tenha eu parar tudo, um lugar que não é bom para ninguém, então todos precisam fazer a sua parte, tanto a empresa quanto o colaborador. É preciso criar, orientar e documentar. Tão importante quanto orientar meu funcionário é documentar através de fotos, lista de presença, manter plano de contingência com decretos atualizados”, finaliza.