Alto Vale

A Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica de Presidente Getúlio iniciou esta semana a distribuição de material informativo sobre aranhas peçonhentas nas Unidades Básicas de Saúde. Em 2019, o município registrou 29 ataques por animais peçonhentos, e apenas em maio desse ano, foram dois acidentes desse tipo com aranhas.

O material traz orientações sobre os tipos de aranhas, como prevenir a proliferação e evitar acidentes com esses insetos, além dos sintomas causados pelo ataque e como agir em caso de picada. Ainda de acordo com o documento, as aranhas peçonhentas mais comuns em Santa Catarina, são a armadeira e a aranha marrom. O coordenador da Vigilância Epidemiológica Reginaldo Santos destaca que a gravidade do acidente depende da espécie da aranha, da idade da vítima e da sensibilidade dela ao veneno.

Reginaldo orienta que em caso de picada acidental, a pessoa deve lavar o local com água e sabão, beber muita água, e procurar imediatamente a unidade de saúde mais próxima para receber o tratamento adequado. “É preciso estar atento pois no caso da aranha marrom, a lesão piora com o passar do tempo. Também é preciso que a população siga as instruções das equipes de saúde e não faça torniquetes ou garrotes, não esprema ou coloque substâncias no local da ferida, e nem ingira bebida alcoólica”, reforça Santos.

Para prevenir a proliferação de aranhas peçonhentas, a população não deve acumular entulhos e materiais de construção; vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos, forros e rodapés; manter sempre limpos os jardins, quintais e celeiros; usar calçados e luvas nas atividades rurais e de jardinagem, além de manter a grama sempre cortada; evitar plantar trepadeiras e bananeiras próximo à residência; examinar calçados, roupas pessoais e roupas de cama e de banho antes do uso; afastar as camas das paredes e evitar pendurar roupas fora de armários; limpar regularmente móveis, cortinas, quadros e cantos de parede.

Tipos de aranhas mais encontradas e os sintomas causados ao paciente:

Aranha marrom: procura se abrigar em locais de pouca iluminação e movimentação, como gavetas de roupas ou caixas de sapatos. Essa aranha não é agressiva e a picada é pouco dolorosa, ela causa uma lesão endurecida e escura no local da picada, podendo evoluir para ferida com necrose de difícil cicatrização. Em alguns casos, pode ocorre o escurecimento da urina da vítima.
Aranha armadeira: é encontrada geralmente em árvores ou locais com presença de vegetação, mas também é comumente encontrada em ambientes domésticos. Essa aranha é agressiva, ela pode saltar até 40 cm de distância, a picada causa dor imediata e intensa, porém tem poucos sinais visíveis no local, podem ocorrer náuseas, agitação, vômitos ou aumento da pressão sanguínea.

Em caso de dúvidas a população pode procurar a coordenadoria, localizada no térreo da Secretaria de Saúde ou ligar no 3352-5599.