Fonte: Arthur Hoffmann
Arthur Hoffmann

Arthur Hoffmann

Devem ser entregues na próxima semana, em Ascurra, as duas novas bombas que vão melhorar o abastecimento de água em Apiúna. Os investimentos anunciados pela Casan, como a construção da Central de Captação de Água em execução, foram uma exigência do prefeito Nicanor Morro, que cogitou inclusive municipalizar a água caso a qualidade do fornecimento não melhore nos próximos meses.

De acordo com o prefeito apiunense, após uma audiência realizada em dezembro com o presidente da Casan, Valter José Galina, garantiu para este ano a construção da Central de Captação de Água, além da troca das bombas em Ascurra que vai influenciar diretamente o abastecimento em Apiúna. “O presidente Galina garantiu que deixa pronta e funcionando até abril a Central de Captação de Água em Apiúna, e que vai melhorar a captação de Ascurra, já que lá temos um problema grave, está faltando água praticamente todo dia por falta de bombas. Ficou acertado em Florianópolis a construção da Captação de Água, além da troca das duas bombas em Ascurra, hoje temos dois equipamentos lá com potência de 50, então quando uma falha a outra acaba ficando sobrecarregada e não da conta de abastecer nosso município, então não adianta. Agora vai ter duas bombas de 100, porque quando uma parar de funcionar, há outro equipamento que vai garantir a distribuição de água. Antes era feito o revezamento das bombas, mas era insuficiente e faltava água aqui”, disse.

Outro problema relatado por Nicanor na época era que com as enxurradas e enchentes as bombas ficavam entupidas de lodo. “Tinha enchente em outros municípios e Apiúna sem água. Então como é que se justifica para a comunidade que está chovendo, o rio está cheio e está faltando água?”, relatou na época à reportagem do DAV.
Conforme Nicanor, o abastecimento de água chega a localidades mais afastadas, mas tudo através de bombas.“Foi a pior coisa que fizeram em Apiúna. Na época era para ter sido feito uma captação maior por aqui, mas aumentaram em Ascurra, trazendo uma tubulação de oito quilômetros de para cá, onde é gasto R$ 40 mil por mês em energia apenas para trazer a água”, explicou. O prefeito também criticou a falta de planejamento na época. “Para ter uma ideia a água que vem de Ascurra abastece a localidade de Subida, que fica do lado de Ibirama, então a água do Rio Itajaí Açú que desce é bombeada novamente pra cima, ou seja, foi feito ao contrário o planejamento”, disse. Atualmente a Casan atende cerca de três mil residências em Apiúna.

Municipalização

Conforme Nicanor, ele já cogitou municipalizar o abastecimento de água no município, mas vive um dilema: “Desde que assumi eu já vinha discutindo essa intenção de trazer para cá a captação, não tinha tido amparo, então corri atrás, mas a solução é difícil, já que se não tivesse Captação em Apiúna e eles não quisessem ampliar eu tinha autoridade para municipalizar e resolver o problema, ter prejuízo e lucro, mas atendendo a população. Mas as bombas e o tratamento estão em Ascurra, então eu não tenho como municipalizar a captação lá em Ascurra, então sou obrigado a engolir sapo por aqui, por isso espero que até abril a captação esteja pronta aqui em Apiúna”, destacou.
Reunião em dezembro

Em dezembro o presidente da Casan, Valter José Galina, já havia confirmado a construção de uma nova rede de captação de água, que passará a ser feita na cidade. Ao DAV, em dezembro, o superintendente regional de Negócio para o Norte e Vale do Itajaí, César Cunha, disse que a obra que incluiria uma nova captação no Ribeirão Neisse e a construção de uma nova Estação de Tratamento de Água (ETA), terá um custo aproximado de R$ 1,5 milhão, todo proveniente de recursos da companhia.

Segundo Cunha, já foram feitas análises de água e condições do ribeirão para realizar o abastecimento, garantindo que vai melhorar a qualidade da água fornecida, além de tornar mais eficiente a distribuição. “Dessa forma Apiúna não precisará mais depender do sistema de Ascurra, até porque esse sistema também tem vida útil e precisa de melhorias e ampliações. Então com essa nova captação também poderá garantir para essas cidades água por mais tempo”, finalizou Cunha.