Estado

A Comissão de Agricultura e Política Rural da Assembleia Legislativa aprovou, em reunião na tarde desta terça-feira (28), a realização de uma audiência pública para discutir os impactos da crise provocada pela Operação Carne Fraca da Polícia Federal, nas agroindústrias catarinenses e na agricultura familiar do estado. O pedido para a audiência partiu do deputado Dirceu Dresch (PT).

O dia e o local do evento ainda são definidos, conforme consenso entre o proponente da audiência, a Mesa Diretora da Alesc e a Comissão de Agricultura. Dresch solicitou que o encontro fosse realizado no Extremo-Oeste, mas o colegiado discute a possibilidade de o evento ser promovido em Florianópolis, devido ao grande número de órgãos e instituições que serão convidados, como Ministério da Agricultura e Pecuária, Ministério do Desenvolvimento Agrário, Epagri, Cidasc, Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca, entidades ligadas à agricultura familiar, entre outros.

Os impactos da operação da PF na agropecuária catarinense também foram discutidos durante a reunião desta segunda. O presidente da comissão, deputado Natalino Lázare (PR), afirmou que o colegiado tem acompanhado de perto todas as movimentações do poder público e da cadeia produtiva da carne para reverter os impactos negativos da operação, principalmente no exterior.
“Estamos atentos e vigilantes, dialogando com a sociedade sobre essa questão, mas no momento as decisões dependem mais de ações do Governo Federal e na área diplomática”, disse Natalino. “Brasília tem monitorado toda a situação, com uma mobilização forte. Em Santa Catarina, ficou definido que o governador Raimundo Colombo será o representante do estado junto ao Governo Federal nessa mobilização”, acrescentou.

Os membros da comissão elogiaram a atuação dos governos federal e estadual no enfrentamento dos impactos da Operação Carne Fraca. “A ação do governo federal foi providencial, agiu de forma rápida”, disse Valdir Cobalchini (PMDB).

O deputado Altair Silva (PP) comentou sobre a manifestação realizada na semana passada em Chapecó, chamada Carne Fraca, que levou agricultores e empresários para as ruas do centro da cidade. “Não cabe a nós condenarmos a ação da PF, mas houve muita distorção. Precisamos valorizar o produto de Santa Catarina”, resumiu o parlamentar.