Esporte
Foto: Divulgação

Nos dias 9 e 10 de novembro, acontece o 3º desafio Senai Challenge, no Expocentro Edmundo Doubrawa, em Joinville. O evento é uma competição realizada por estudantes dos Cursos Técnicos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), que vivenciam situações reais da indústria. São esperados mais de dois mil alunos e 150 professores.

O Alto Vale do Itajaí, será representado por uma equipe de 19 alunos, do curso Técnico em Mecatrônica, com a missão de construir dois robôs: um Cross, para superar obstáculos contra o tempo e um robô Sumô, que precisa encontrar o adversário e empurrá-lo para fora da pista. Segundo um dos integrantes da equipe de Mecatrônica, do Senai Alto Vale, Matheus Remeniuk, de 18 anos, estão preparados para o desafio.

“Nós aprendemos mecânica, eletrônica, programação, elaboramos o projeto e desenhamos o carrinho. Fizemos testes para identificar os pontos a serem aperfeiçoados, recortamos as chapas, escolhemos os componentes elétricos e montamos a programação, que é uma parte bem extensa”, explicou.

De acordo com o professor de automação, eletrônica e elétrica industrial, Edemar Mário Faes, tudo que os alunos aplicam no robô também irão usar na indústria.

“Eles calculam tudo, montam e testam para verificar se o resultado saiu como o planejado. Não ficam apenas em situações hipotéticas, pois o robô precisa funcionar de verdade para a competição”, ressaltou.

Outra equipe que irá representar o Alto Vale é formada por 24 estudantes, do curso de Eletromecânica. Eles tiveram que desenvolver uma cadeira de rodas elétrica, de baixo custo, que irá passar por testes reais no Inmetro.

“Foi um desafio trabalhar com assuntos que eu nunca tinha visto. É difícil descrever a experiência dessa competição. Você precisa resolver os problemas rapidamente, pois eles surgem do nada. Então, a gente se dedica ainda mais e quando consegue é uma vitória”, comentou o integrante da equipe, Osmar Cândido Júnior.

Os alunos e professores pensaram no projeto da cadeira no semestre passado, e trabalharam desde a conformação de materiais, usinagem, solda, corte, furação, acionamento e comandos. Agora, a equipe está nos ajustes finais.

“Mesmo sendo uma competição, os conhecimentos adquiridos estão presentes nos processos das indústrias. O trabalho também desenvolveu nos estudantes competências exigidas nos profissionais. Muitas soluções foram eles que desenvolveram, com pesquisa, criatividade e trabalho em equipe”, finalizou o professor de Projetos Mecânicos, Anderson David Borsoi.

Veja também as últimas atualizações: