Alto Vale
Divulgação

 

Duas empresas do Alto Vale, a Área Central e a Effecti, ambas de Rio do Sul, estão entre as 10 catarinenses selecionadas para participar do programa Scale –Up 2020 que é promovido pela Endeavor, uma organização global de fomento ao empreendedorismo de alto impacto. Agora elas vão receber mentorias e aceleração nos próximos meses.

 

A Área Central oferece uma plataforma inteligente para gestão de redes e centrais de negócios, já a Effecti auxilia empresas que vendem para o governo a serem mais eficientes, automatizando algumas fases do processo de licitação e, as duas, que são de pequeno porte, cresceram mais de 50% nos últimos três anos, o que mostra o alto potencial de expansão.

 

O CEO da Área Central, Jonatan Silas da Costa, comenta que notícia foi recebida com muita felicidade.

“Tivemos a grata surpresa de passar pelo processo de seleção e sermos aprovados. Para nós é uma etapa extremamente relevante porque valida nosso modelo de negócio de crescimento rápido e nos coloca junto com empresários muito bem sucedidos nas suas startups, e ainda possibilita que a Área Central avance no seu crescimento e na sua maturidade empresarial”, comemorou.

 

A aceleração dos selecionados acontece durante cinco meses, por meio de workshops e mentorias individuais, com as maiores lideranças do país.

“Das mais de 50 entrevistas realizadas, optamos por trazer empresas que cresceram mais de 50% nos últimos três anos. Esses empreendedores e empreendedoras trabalharão fatores de crescimento tais como contratação de lideranças, acesso a capital e estratégia. Nosso o papel é reforçar as conexões entre esse grupo e fazer com que eles continuem próximos mesmo após os cinco meses de aceleração”, ressalta Guilherme Lopes, líder da Endeavor em Santa Catarina.

 

Além das duas rio-sulenses as outras oito empresas de Santa Catarina selecionadas para o programa são das cidades de Florianópolis, Joinville e Balneário Camboriú.

 

Aceleração além do setor de tecnologia

 

Uma das características do programa é olhar além do mercado de tecnologia, buscando negócios de qualquer setor com potencial de crescimento em escala, e assim se tornar uma “scale-up”, empresas que crescem, por pelo menos três anos, a faixas acima de 20% ao ano. Em 2018, as empresas que fizeram parte do programa registraram, em um ano, crescimento médio individual de 106% em faturamento e de 33% em número de funcionários, gerando mais de 3.000 postos de trabalho.

 

Helena Marquardt