Alto Vale
Foto: Divulgação

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Em documento entregue pessoalmente ao governador Carlos Moisés da Silva nesta semana, a Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí (Amavi) pediu a assinatura de um novo convênio do Projeto Recuperar, no valor de R$ 10 milhões, que seria fundamental para a manutenção dos 495 quilômetros da malha viária da região.  Outra solicitação considerada urgente foi a contratação de profissionais para o Instituto Médico Legal (IML) de Rio do Sul que neste momento tem dependido de profissionais de Blumenau para a realização do serviço.

O encontro na Casa da Agronômica foi intermediado pelo deputado estadual Jerry Comper e de acordo com a presidente da Amavi, Geovana Gessner, ela destacou ao governador a avaliação positiva do primeiro convênio do Projeto Recuperar que teve o valor de cerca de R$ 4 milhões. “Esse valor chegou a todos os municípios do Alto Vale do Itajaí que são cortados pelas SCs. Então realmente a gente viu que deu muito certo, que foi feito todo um trabalho aqui de britas, roçadas e sinalização”, comentou.

Para esse segundo convênio o pedido foi de R$ 10 milhões, quantia que faria muita diferença na manutenção das rodovias estaduais. “Quando se diz que um projeto é para chegar na vida das pessoas é esse tipo de ação do Governo do Estado, que deu muito certo e que os municípios também viram resultado porque muitas vezes eles gastavam um recurso próprio para manter uma estrada que era de responsabilidade do Estado”, completa Geovana.

A presidente da Amavi revelou que o governador se manifestou favorável ao novo convênio do programa criado em 2019 através de parcerias com os consórcios públicos intermunicipais, e nos próximos dias deverá ser encaminhada a documentação necessária para que a parceria aconteça o mais breve possível.

Pedido de funcionários para o IML

Outra reivindicação dos 28 prefeitos, através da Amavi, foi a ampliação do quadro de funcionários do Instituto Médico Legal (IML) de Rio do Sul já que desde o início do mês, em virtude da falta de efetivo, os atendimentos são feitos pelo IML de Blumenau, que agora responde por 38 cidades.

Atualmente o IML de Rio do Sul conta com auxiliares médicos legais, que tem contratos de trabalho temporários de um ano e que poderiam ser prorrogados por mais um ano, prazo que venceu no início de fevereiro. Como até o momento não houve aprovação de concurso público para o Instituto Geral de Perícias, foi lançado o edital de Processo Seletivo simplificado para contratação de 21 profissionais em caráter temporário. Em Rio do Sul, duas vagas estão disponíveis e as inscrições seguem até 10 de fevereiro.

A situação em relação a falta de funcionários, foi exposta ao governador pela presidente da Amavi. “A distância é de aproximadamente 90 quilômetros para atender o Alto Vale, uma viagem demorada. É uma situação difícil para as famílias envolvidas, que precisam de agilidade na liberação dos corpos”, finaliza Geovana Gesser.