Cidade, Política

Reportagem: Cláudia Pletsch/DAV

Anunciado como pré-candidato a prefeito de Rio do Sul pelo Republicanos, o presidente do partido, Angelo Cattoni, divulgou nota na qual esclarece que não irá concorrer à prefeitura. O advogado explica que a desistência da candidatura não significa que o partido não participará da disputa eleitoral no município.
“Desde o início do processo eleitoral procurou-se construir um projeto de viabilidade eleitoral com outros partidos para pavimentar um projeto melhor para Cidade. No entanto, tal movimento foi barrado pelos interesses pessoais e do interesse econômico de poucos, o qual tem como único escopo de alcançar o poder a qualquer custo. Partido Republicanos, eu e a querida Jane não comungamos e não participamos deste jogo de intrigas e interesses, onde inimigos se juntam (convenientemente) contra o interesse do povo. Isto não quer dizer que não participaremos do processo eleitoral, pelo contrário, teremos time de candidatos a vereadores e coordenarei pessoalmente a eleição de todos para (juntos) alcançar uma cadeira na Câmara de Vereadores”,diz a nota.
Em entrevista ao DAV no mês de agosto, o advogado que concorreu ao cargo de deputado federal e conseguiu cerca de 5.178 votos, apresentou seu posicionamento sobre a política do município, e para ele, a maioria dos políticos tem feito muitas promessas que não tem sido cumpridas na prática. “A gestão pública precisa ter a eficiência do setor privado. Porque é muito discurso sobre as propostas. Todo mundo fala em saúde, educação e segurança como prioridade, mas isso é um direito, um dever do estado. Todo mundo tem que fazer. O que precisamos é melhorar em termos de gestão”, opinou.
Permanecem na disputa pelo poder executivo no município os cinco candidatos, José Thomé (PSD), Clóvis Hoffmann (Cidadania), Jaime Pasqualini (Podemos), Dionísio Tonet (PSL), Jean Pier Xavier de Liz (PDT).

Permanecem na disputa pelo poder executivo no município os cinco candidatos, José Thomé (PSD), Clóvis Hoffmann (Cidadania), Jaime Pasqualini (Podemos), Dionísio Tonet (PSL), Jean Pier Xavier de Liz (PDT).