Cidade
Foto: Helena Marquardt

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

A Associação Protetora dos Animais Desamparados (Apad) de Rio do Sul realiza diversas ações e possui voluntários para cuidar dos animais doentes e abandonados. Todos esses cuidados geram um custo bastante alto em razão da grande demanda. Seja com internação ou procedimentos, as contas chegam e é difícil pagar, então, a instituição além de tentar arrecadar com alguns eventos, pede doações da população. Este ano, o déficit deve superar os R$30 mil.

De acordo com a voluntária Ana Paula Gomez, os gastos são referentes à atendimentos na clínica veterinária. Ela diz que além da dívida de novembro que é de R$30 mil, a Apad ainda terá que somar o valor dos atendimentos de dezembro. “Esses gastos são dos atendimentos aos animais que a gente atende ou resgata doentes, atropelados e tudo mais. A gente vai ficar devendo esse valor de novembro e mais os atendimentos que a gente fizer em dezembro. É provável que a gente feche o ano com mais de R$30 mil de dívida”, comenta.

Ela ressalta também que a última pastelada realizada pela instituição rendeu mais de R$10 mil e que apesar de ajudar, não foi o suficiente. “A gente fez na semana passada um evento beneficente para arrecadar dinheiro e dar uma forcinha nessas dívidas, mas ainda assim vai ficar bastante coisa. O lucro da pastelada foi de R$ 11.675”, conta.

Ela destaca o mês de dezembro costuma ser complicado de várias formas por que as doações em dinheiro e ração diminuem, além disso, as pessoas também viajam e o número de lares temporários também sofre uma queda. “As pessoas viajam e as doações diminuem, tanto financeira quanto de ração. A gente não compra ração, então nós precisamos muito de doação. A gente mantém cerca de 50 animais e são mais de 500 quilos de ração por mês. Essa situação sempre fica difícil e a questão dos lares temporários, como a gente não conta com abrigo, a gente depende só de lar temporário fica bem restrito no final do ano, ninguém quer ter essa responsabilidade, todo mundo viaja. Com isso também diminuem as adoções, ninguém quer adotar um animalzinho agora, todo mundo quer deixar para o ano que vem”, explica.

Voluntariado e contribuição

Ana lembra que todos os anos são difíceis nessa época, já que os voluntários também estão de férias e fica mais difícil achar pessoas que ajudem. “É complicado para achar quem resgate ou faça as ações agora do final de ano. Sempre foi um desafio para a Apad, então é importante reforçar essa questão de doação, tanto financeira quanto de ração e também de adoção. A gente está incentivando através das redes sociais a adoção de alguns animais, principalmente pelo Natal, alguns deles já passaram e vão continuar passando essa data sozinhos. Quem quiser colaborar como lar temporário, a gente está vivendo um período bem difícil agora, a clínica está lotada de animais, muitos deles de alta, mas a gente não tem para onde levar porque não contamos com espaço físico, então se as pessoas quiserem contribuir seria ótimo, porque isso acaba limitando o nosso atendimento, a gente deixa de resgatar, deixa de ajudar algum animal porque não temos espaço na clínica, não tem local para fazer internamento”, ressalta.

Para ajudar basta entrar em contato através das redes sociais da instituição. Se preferir fazer doação, a Apad possui um link para contribuição direta através de cartão de crédito ou boleto bancário. Além disso, há uma conta para depósitos. Confira:

Conta Apad

Caixa Econômica Federal

Agência: 0423
Op: 003
Conta: 3961-0
CNPJ: 11.356.234/0001-92