Cidade
Foto: Helena Marquardt

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

A Associação Protetora dos Animais Desamparados (Apad) promove neste sábado (10) o 2º Brechó Solidário para arrecadação de fundos. O evento acontece no ginásio do COC em Rio do Sul das 9h às 17h e estarão à venda roupas novas e usadas. Os preços das peças serão a partir de R$ 2 reais.

A voluntária Ana Paula Gomez explica que o evento surgiu em 2019 como mais uma alternativa de arrecadação de fundos e neste ano, em virtude da pandemia, tem ainda mais importância já que a ONG enfrenta um dos períodos mais difíceis de sua história. “Por conta da pandemia, tivemos que nos reinventar e com a falta do pedágio nesse ano, que costumamos fazer sempre, o brechó se tornou mais uma alternativa”, disse.

Ela explica que ações como o brechó são realizadas para tentar diminuir as dívidas da entidade que variam sempre entre R$ 45 mil e R$ 50 mil reais. “Esse valor é sempre utilizado no tratamento e resgate de animais doentes, atropelados, em situação de maus tratos, fêmeas no cio, filhotes abandonados”, completa.

O brechó acontecerá no Ginásio do Colégio COC, no centro de Rio do Sul, no mesmo local da primeira edição e quem prestigiar o evento poderá adquirir peças novas e usadas, entre elas roupas, calçados e acessórios tanto masculinos e femininos quanto infantis. Ao todo são mais de mil itens selecionados por voluntários que serão vendidos a partir de R$2,00 e o pagamento pode ser feito tanto no dinheiro como no cartão de crédito. “Contamos com a presença e ajuda de todos para fazer desse evento mais um sucesso”.

A voluntária revela ainda que outro evento que já está sendo programado para o segundo semestre é o Feijocão, também com o intuito de arrecadar fundos para quitar dívidas em clínicas veterinárias. “Nesse ano, planejamos fazer o tradicional Feijocão em agosto na forma de drive thru”, conta Ana.

Ajuda para a instalação de casinhas para animais de rua

Em uma iniciativa inédita, neste inverno a Apad também pede ajuda da comunidade para a instalação de casinhas para animais de rua. Ao todo cinco já foram colocadas pela cidade e a intenção é ampliar o projeto à medida em que a ONG recebe doações. “No momento não temos mais nenhuma planejada, porque depende da necessidade e das doações. Se encontrarmos mais locais onde tenham animais de rua precisando, que tenha uma frequência de movimentação de animais e encontrarmos pessoas para ajudarem no valor em dinheiro, instalamos”.