Alto Vale

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

Uma campanha de arrecadação de alimentos, em Ituporanga, surgiu com a intenção de atender algumas famílias de alunos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae ) que passam por dificuldades. A ação já conta com o apoio da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar e Afubra. O objetivo é conseguir com o apoio da comunidade, atender demandas que ficaram ainda mais evidentes durante a pandemia.

Segundo a assistente social da Apae, Débora Barbosa, a instituição percebeu durante atendimentos remotos e em algumas visitas, que algumas das famílias dos alunos estavam passando por necessidades básicas, como de alimentos e produtos de higiene e limpeza. “A gente sabe que por ter um grande número de alunos que são idosos e consequentemente seus cuidadores, os familiares também já tem idade mais avançada, por se tornar um público de risco, a dificuldade aumenta, em relação a manutenção do trabalho e as formas de manutenção da renda que antes eles tinham. Então, de maneira geral, não só esse público, mas todos os outros, a gente tem  várias famílias que tem aí as suas vulnerabilidades, suas necessidades econômicas que ficaram realmente prejudicadas”, avalia.

Débora explica que o projeto “Faça o bem: Doe alimentos” surgiu para tentar atender de forma urgente essas demandas que aumentaram após tantos meses de afastamento social. “Foi com o objetivo de atender as famílias dos alunos, de tentar minimizar um pouco os impactos desse afastamento que a gente pensou em desenvolver essa campanha, unir esforços com a comunidade, levando essa responsabilidade social que a Apae tem como instituição, essa preocupação com as nossas famílias, para sensibilizar outros agentes da comunidade para poder tender esse público”, comenta.

Ela conta ainda que depois de começar a campanha, a entidade conseguiu o apoio de parceiros importantes para dar efetividade à campanha beneficente. “Nós tivemos uma grata surpresa de ter parceiros com bastante credibilidade que foi a Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e a Afubra, que fez também uma campanha no decorrer do mês em todas as lojas da rede e acabou se sensibilizando com a Apae e vai destinar parte dessa arrecadação de alimentos para a instituição para que a gente dê destino para os nossos alunos, nossas famílias”, disse.

Além desses parceiros, a associação busca outros parceiros. Segundo Débora, cartazes serão distribuídos nos estabelecimentos que estiverem participando a fim de identificar o local para que a população faça sua doação. “A gente está desenvolvendo para os próximos dias alguns cartazes para deixar nos estabelecimentos, para ter mais postos de arrecadação e conseguir o quanto antes mais pessoas com interesse em contribuir, o mínimo que seja, mas a gente sabe que no montante isso faz toda a diferença e a gente consegue com certeza, ajudar um número maior de famílias que possam estar passando por situação de necessidade”, justifica.

A campanha iniciou neste mês de setembro e deve se estender até meados de novembro. Como são muitos alunos é preciso garantir que todos aqueles que possuem alguma vulnerabilidade sejam atendidos. “Nós temos 103 alunos matriculados na Apae, então são 103 famílias, é lógico que nem todas possuem a mesma necessidade, mas a gente sabe quem tem e que não são poucas”, complementa.

Para Débora, é preciso unir força. Ela destaca que embora haja uma  mobilização nacional e que as demandas tenham sido potencializadas é preciso olhar mais para os lados. “ A gente não pode olhar só lá para fora. Se olharmos a nossa volta tem muita coisa que a gente pode fazer e são com pequenos gestos. Um quilo de arroz, uma pasta de dente, um detergente que às vezes eu consigo tirar do meu armário, consegue minimizar muitas dificuldades. Fora todas as outras questões que a gente sabe que vem aí de adoecimento mental, físico que envolvem toda uma outra fragilidade que a pandemia também traz”, completa.

Distribuição

A assistente social ressalta que as demandas são urgentes e que já existe uma lista com as famílias que precisam. “Nós já sabemos quais são as necessidades de cada uma, número de moradores em cada casa e aí vamos destinar de acordo com essas urgências”, destaca. Débora agradeceu também o apoio dos parceiros e da comunidade que está colaborando. “A partir desses agentes e da comunidade de modo geral é que a gente vai conseguir exercer a nossa função social”, finaliza.

Confira os postos de coleta:

Corpo de Bombeiros;

Polícia Militar;

Afubra;

Apae.