Política

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

O PSL de Apiúna já decidiu o nome da pré-candidata à prefeita. A escolhida para concorrer às eleições é Nina Montagna. Atualmente ela é vereadora, foi eleita pelo MDB, mas fundou o PSL na cidade e optou pela mudança de partido. A principal proposta para o mandato, caso fosse eleita, seria o investimento em saúde, educação e oportunidades para os jovens.

Nina diz que quer ser prefeita para poder trabalhar em prol das pessoas. “O começo da minha história é muito parecido com a história de muita gente, mas resolvi entrar na política para melhorar nossa cidade. Com muita alegria informo que sou pré-candidata a prefeita de Apiúna. O que nos move é saber que estaremos trabalhando em prol de quem precisa do nosso amparo, com simplicidade, dando oportunidade e confiando nas pessoas”, disse.
Neste ano o município que tem apenas 32 anos de emancipação política terá a primeira mulher disputando o Executivo. “Sou a primeira candidata à prefeita mulher do nosso município. Tenho certeza de que posso contribuir muito, já dei a minha contribuição como vereadora e acredito que podemos contribuir muito mais”, afirma.

Questionada sobre planos, ela diz que se for eleita quer investir nas áreas básicas, como saúde, educação e proporcionar mais oportunidades para os jovens. “Queremos e precisamos cada vez mais investir na saúde, educação e potencializar a questão de obras dentro do nosso município, trazendo empregos, renovando, trazendo oportunidades para os jovens para que não deixem a nossa cidade”, avalia. Ela conta ainda que algumas demandas são urgentes no município. “Temos grandes problemas com a energia elétrica, vamos olhar para isso. Hoje tem alguns bairros que não possuem água encanada da Casan, é algo que a gente vai dar atenção, resolvendo toda essa situação. Essas são apenas algumas das várias demandas, mas vamos olhar com muito carinho para os apiunenses”, completa.

A vereadora que cresceu em Apiúna comenta sobre infância difícil e diz que na época precisou do poder público, mas não teve retorno. “Minha infância no interior de Apiúna foi muito humilde, mas graças os valores que recebi em casa, nunca me perdi. Hoje ainda existem em nosso município muitas pessoas boas, sem atenção do setor público. Eu vejo um potencial incrível nelas, às vezes o que falta é uma oportunidade. Quero ser prefeita para mudar isso”, finaliza.