Alto Vale
Foto: Divulgação

Reportagem: Helena Marquardt

Após sofrer inúmeros ataques homofóbicos envolvendo seu nome em virtude das polêmicas sobre o projeto de lei encaminhado pela Prefeitura de Lontras para a Câmara de Vereadores que autorizava o repasse de R$ 1.800,00 para custear sua participação no concurso Miss Santa Catarina Gay, o jovem Nitha Lemonie divulgou um comunicado nas redes sociais em que afirma que irá cuidar de sua saúde mental.

Os ataques começaram após a divulgação do vídeo da leitura do projeto no Legislativo, que autorizava o repasse para patrocínio do jovem no concurso. O valor seria usado para custear despesas de transporte, figurino e maquiagem para a participação na disputa. O deputado estadual Jessé Lopes, do PSL, soube da proposta e se posicionou contrário ao projeto nº44/2021 criticando a postura do prefeito. “Dinheiro público não pode ser usado para isso. Se os pais dele têm orgulho do ‘garoto prodígio’ que banquem ou busquem patrocínio privado”, escreveu em seu perfil.

Após a publicação o prefeito de Lontras, Marcionei Hillesheim, também decidiu se manifestar  e respondeu as críticas feitas pelo parlamentar. “Que triste. O deputado Jessé Lopes está preocupado porque em Lontras nós governamos para todos indiferente de cor, credo ou orientação sexual. Deputado, esse jovem é um cidadão lontrense como qualquer outro, vai participar de um concurso estadual representando o município, independente se o município apoiar ou não. O senhor deveria estar focado nas questões do estado, como a reforma da previdência, as nossas SC’s e na BR-470 que estão horríveis ou ainda agilizar junto ao Estado a destinação de recursos para Lontras. É esse tipo de trabalho que nós de Lontras esperamos do senhor”, rebateu.

Na publicação o prefeito disse ainda que Jessé fez apenas três votos no município e a tendência é ainda diminuir essa votação. “Se você não gosta de gay é só não se casar com um. Simples assim. Talvez se fosse o miss músculo o senhor apoiaria. Sabemos que nossa região é conservadora e respeito infinitamente isso, mas por outro lado precisamos construir pontes e não muros, precisamos incluir e não excluir. Estou de consciência tranquila e certo de que fiz o que deveria fazer. Temos as contas do município ajustadas, temos a saúde referência para muitos municípios, estamos construindo ou reformando quase todas as unidades escolares, pavimentação acontecendo como jamais foi visto, então nos poupe do seu preconceito”, completou.

O projeto de lei foi lido e será votado na sessão da próxima segunda-feira (9).