Alto Vale
Foto: Helena Marquardt/DAV

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Após alguns dias de chuva o asfalto na Serra do Tucano, que faz a ligação entre Presidente Getúlio e Rio do Sul, voltou a apresentar problemas. Desta vez em outro trecho e fissuras na pista chamam a atenção dos motoristas que trafegam pelo local, que também já teve registros de quedas de pedras sobre a rodovia.

O fotógrafo Will Marx, passou pelo trecho recentemente e criticou os problemas no asfalto recém-terminado. “Como motorista a gente fica bem triste com a situação de passar num lugar onde esperava ter um asfalto de ótima qualidade pelo tempo que ficou interditado e valor investido, mas a obra nem foi concluída totalmente e já está caindo. Sem contar que é perigoso para quem passa lá”, opinou.

A obra no trecho de 1,3 quilômetros foi licitada pelo valor de R$ 2,7 milhões, quantia que incluía terraplanagem, drenagem, pavimentação asfáltica, passeio e sinalização. O investimento foi através de recursos próprios do Município após um acordo com o governador. Na época o prefeito Nelson Virtuoso explicou que como a rodovia é estadual e a pavimentação seria feita com recursos da prefeitura, em troca o Estado faria a revitalização do Centro da cidade. A passagem de veículos após três meses de interdição foi liberada no dia 22 de maio quando a prefeitura anunciou a conclusão do asfaltamento e alegou que faltava apenas finalizar obras complementares, como a instalação de sarjetas, guarda corpo e sinalização.

De acordo com a engenheira, Gabriela Wollinger Arns, todo o serviço foi feito num período de seca e somente com as chuvas os problemas apareceram. “Não deu nenhuma chuva durante a obra. Foi feita a sub-base, a base, passado o rolo compressor e molhado, tudo conforme os projetos, mas nada como essa chuva volumosa que deu, então acabou afundando a base um pouco e apareceu essa rachadura, mas a obra não apresenta riscos e isso não vai prejudicar em nada”, afirmou.

Segundo ela, o asfaltamento ainda não foi entregue e vai receber conserto nos trechos que apresentaram problemas sem nenhum custo adicional. O prazo final de entrega é 31 de dezembro. “Ainda falta entregar algumas coisas, mas de qualquer forma a obra tem garantia de cinco anos então qualquer problema que acontecer, e a gente espera que não aconteça mais nenhum, a construtora é obrigada a consertar. Eles já conversaram conosco e disseram que vão consertar”, disse.

Pedras caindo sobre a pista

Além dos problemas no asfalto, motoristas têm relatado que pedras têm caído sobre a pista em alguns pontos, situação confirmada pela engenheira. “Durante a execução da obra, as pedras soltas do paredão foram removidas, inclusive foi utilizado o rompedor para derrubar pedras que poderiam cair. Estava tudo estável, mas começou a infiltrar água e tirou a sustentação dessas pedras e aconteceu que elas caíram. Pode ser que caia mais pedras, a gente não tem como saber”, finaliza.