Cidade
Foto: Divulgação

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

A Associação de Moradores do Bairro Albertina, que é uma das mais atuantes de Rio do Sul, mostrou mais uma vez que a união da comunidade pode trazer benefícios coletivos. A Amba, como é conhecida, colocou em operação nesta semana a sua primeira câmera de segurança com identificação de placas veiculares e já trabalha para ampliar o projeto.

O presidente da Associação de Moradores, Tiago Christen explica que a entidade completou 21 anos de fundação neste mês e ao longo de toda a sua história busca atuar através das parcerias e a intenção é tornar o bairro o mais bonito e seguro do município. “Não queremos ser melhor que os outros, mais sim ter um ambiente cada vez melhor para nossa comunidade e temos esse vínculo com a segurança pública já que fomos o segundo bairro a implantar a Rede de Vizinhos”, ressalta.

As seis câmeras foram adquiridas por R$ 6.700 com recursos arrecadados através de uma feijoada há cerca de dois anos e já estavam em funcionamento, mas agora começam a receber o leitor de placas. “Instalamos em pontos estratégicos e o morador fornece a energia elétrica e internet. Agora contratamos uma empresa e eles instalaram esse chamado OCR que traz mais sensação de segurança e ainda ajuda a identificar autores de possíveis crimes. Sabemos que vai ajudar não só o bairro, mas toda cidade porque a Albertina é uma das saídas do município”, esclarece.

Ele explica que esse sistema recém-instalado, que conta com o apoio de empresários para o pagamento de uma taxa de operação de R$ 225 ao mês, permite que através do monitoramento por câmeras, sejam capturadas imagens e criado um acervo das placas dos veículos que passam pelo Bairro Albertina e ainda através do cadastramento de veículos suspeitos ou furtados, seja possível criar um alerta caso esses carros transitem nas imediações. “Somos muito unidos aqui e cinco empresários vão pagar voluntariamente R$ 50 por mês. Agora estamos contatando mais quatro empresas para poder instalar a segunda câmera com leitor de placas”, completa.

O acesso ao sistema será feito através da central de monitoramento da Guarda Municipal de Rio do Sul e as Polícias Civil e Militar também irão se beneficiar do acesso, trazendo assim mais agilidade ao processo de elucidação dos crimes. Lembramos que este equipamento irá “contribuir” para a segurança, podendo ocorrer falhas em determinado tempo por condições adversas, vindo assim a prejudicar em uma possível investigação, pois se trata de equipamento eletrônico.

O empresário Eduardo Fabricio Sievers foi um dos que decidiu colaborar e elogia a iniciativa. “Vejo que as câmeras dão uma sensação de mais segurança e de fato trazem mais segurança. Acredito na eficácia desse projeto de controle com as placas e optei por ajudar até no intuito de incentivar outros moradores”, relatou.

União da comunidade

A Amba também vem sendo destaque através de mutirões para embelezar o bairro e recolher o lixo de diversos o locais. “Temos terrenos que o pessoal joga lixo, entulhos indevidamente, mas sempre nos reunimos para limpar esses locais, plantar árvores e flores, criamos até uma praça. “O cidadão quer segurança, educação, saúde e obras estratégicas nos bairros, mas também podemos fazer a nossa parte limpando uma calçada, um terreno público por exemplo, cuidando do nosso bairro. Estamos cobrando do poder público, mas também damos nossa contribuição”, finaliza.