Vale Norte
Foto: Alisson Cheny/RBV/JVN

Iniciaram em Ibirama as aulas do projeto Educação de Jovens e Adultos – EJA Profissionalizante, que tem o objetivo de elevar a escolaridade dos trabalhadores e melhorar a qualificação profissional para a indústria.

Mais de 50 alunos participaram da aula de acolhimento no auditório da Aciibi, realizada na terça-feira (21), com a presença da diretora do Sesi, Irene Colaço Westphal, que deu as boas-vindas ao grupo, e do presidente do Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de Ibirama (Sinduscon), Genésio Ayres Marchetti. No curso, além do ensino médio, os alunos recebem formação em Assistente de Controle de Qualidade.

Representando o Fiesc na ocasião, Marchetti destacou o avanço que o início das aulas da EJA Profissionalizante representam para Ibirama e região, tanto no meio social, quanto na qualificação das carreiras profissionais. “Esse é primeiro passo que estamos dando. O curso dá possibilidade de, posteriormente, o aluno prestar vestibulares e fazer uma faculdade, avançar na carreira profissional e melhorar a qualidade de vida das famílias”, explicou.

Ele também enalteceu a luta para implantação da unidade em Ibirama e a consequente melhoria da educação. “Precisamos melhorar a qualidade de nosso trabalhador através da escolarização. O Brasil concorre com o mundo, que está cada vez mais competitivo, e para isso precisarmos estar preparados e acompanhar este avanço, seja com a qualidade das mercadorias fabricadas aqui, como com a especialização da mão de obra”, disse Marchetti.

Já a diretora do Sesi do Alto Vale, Irene Colaço Westphal, destacou a ampliação da oferta de formação do trabalhador na região. “É uma grande satisfação estar presente com o Sesi em Ibirama com esta modalidade da EJA Profissionalizante, que traz a oportunidade de se concluir o ensino médio e de se concluir um ensino profissionalizante com o Senai”, avaliou Irene, que proferiu palavras de estímulo aos participantes.

Metodologia de reconhecimento de saberes

Até dezembro deste ano, os alunos acompanharão o modelo educacional do Sesi, que inclui metodologia de reconhecimento de saberes. Ela envolve uma série de procedimentos realizados com a participação de especialistas de cada área do conhecimento – linguagens e códigos; matemática; ciências humanas e ciências da natureza. São realizadas avaliações, entrevistas e preenchimento de formulários para identificação de conhecimentos prévios.

Irene explicou que a primeira fase será concluída ainda em dezembro deste ano, com aulas presenciais nas terças e quartas-feiras, e a expectativa é que as aulas retornem em fevereiro de 2018. Elas devem ser ministradas nas novas instalações, na rua XV de Novembro, mas a data de entrega ainda não foi confirmada pela diretoria regional. O local passa por finalização.

O calendário para o ano letivo de 2018 será entregue no dia 20 de dezembro. O curso tem duração de um ano.

Marcelo Zemke