artigo
Foto: Divulgação

Hoje quero falar sobre o Salmo 19, onde diz: “Quem há que possa discernir as próprias faltas? Absolve-me das que me são ocultas”. Todos os dias, nós deveríamos pensar nessa colocação. Você já percebeu que nunca temos senso de auto-análise, no sentido de descobrir se estamos inadequados? Nós sempre nos auto-analisamos para nos vangloriarmos. Nossos grandes feitos são constantemente rememorados em nossa mente. Nos acostumamos a reviver os sucessos passados para nos exaltarmos. Porém, a Palavra de Deus afirma que devemos refletir sobre os nossos erros. É lógico que nunca discerniremos nossas faltas, enquanto não tivemos o senso de avaliar nossa fraqueza. Você pode observar, que sempre temos razões e justificativas, para cada erro que cometemos. Essa vida de razões nos torna intransigentes com as pessoas, porque nos consideramos “donos da verdade”.

O salmista disse que não temos condições de nos avaliar. Toda análise que fazemos de nós mesmos é falsa, porque ressaltamos apenas nossas habilidades. Então, se quisermos crescer espiritualmente, teremos que pedir para a pessoa com quem mais convivemos que nos diga quem somos. Você precisa perguntar ao seu cônjuge, aos seus pais, aos seus filhos, quem você é! Com certeza, você ouvirá coisas que não esperava e nem queria ouvir. Isso ocorre porque nunca nos consideramos errados. Sempre achamos que temos razão.

Em João, capítulo 14, versículo 6 está escrito: “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”. Somente somos adequados para Deus, quando obedecemos ao que está escrito na Bíblia. Somente a Palavra de Deus é a verdade. A única verdade está em Jesus. E Jesus é o Verbo, é a Bíblia. À medida que conhecemos a Palavra do Senhor, somos libertos e livres. Todos os homens precisam de libertação e de liberdade. Todos nós precisamos conhecer os mandamentos divinos. Apenas o Senhor Jesus pode nos livrar do nosso próprio pensamento, que é errôneo e que nos engana.

Você já notou que constantemente nossa mente está julgando? Para cada pessoa, para cada situação, temos um rótulo, um julgamento. Contudo, no dia em que formos livres do domínio da natureza pecaminosa, deixaremos de julgar. O Cristo que habita em nós é cheio de amor. E o amor é dotado de liberdade. O amor aceita que as pessoas têm o direito de agirem como querem. Devemos compreender a verdade de que somos criatura de Deus e não juízes. Nós não temos o direito de exigir que as pessoas sejam como nós gostaríamos.

Em Jeremias, capítulo 17, versículos 9 e 10 está escrito: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá? Eu, o Senhor, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos; e isto para dar a cada um segundo o seu proceder, segundo o fruto das suas ações”. Quando confrontamos nossos pensamentos, atitudes e sentimentos com a Palavra de Deus, somos tremendamente expostos, porque enxergamos nossos erros. Então, temos que nos humilhar e clamar para que o Senhor nos transforme. A pior atitude que podemos ter diante dessa exposição é o auto-aperfeiçoamento. Quando somos reprovados pela Palavra de Deus, não podemos tentar nos melhorar. Nossa única saída é nos render ao Senhor em total obediência à Sua vontade. Portanto, quero lhe deixar com a seguinte colocação: nenhum homem se conhece, apenas Deus conhece cada homem.

Av. Governador Jorge Lacerda, nº 380 

Bairro Budag Rio do Sul (47) 98810-4000
Email: ministeriobompastor.rs@gmail.com