Cidade

O recorrente problema da falta de água nos bairros de regiões mais altas de Rio do Sul ganhou um novo capítulo. De acordo com a Companhia Catarinense de Água e Saneamento (Casan), nesta quarta-feira (14) deve ser instalada uma bomba de água na rua Vitor Konder. O equipamento deve ajudar a melhorar o abastecimento do bairro Fundo Canoas, onde os moradores sofrem com a falta de água constantemente. O problema foi agravado nos últimos dias. Não só o bairro Fundo Canoas, mas Progresso, Laranjeiras e Barra do Trombudo também registraram falta de água nas torneiras.

De acordo com o superintendente da Casan em Rio do Sul, José Ricardo Gonçalves, a falta de água dos últimos dias foi causada pelo excesso de consumo após a enchente que assolou o Alto Vale. “O grande ‘bum’ foi o evento da enchente. O consumo excessivo aqui no Centro foi bastante grande. Quando o consumo é grande na parte de baixo, as bombas que levam a água para esses morros acabam desligando e provocando a falta de água”, disse Gonçalves.

No bairro Barra do Trombudo, o superintendente apontou que a bomba que fica próximo a Metalúrgica Riosulense e abastece os bairros Barragem, Budag e região teve que ser desligada na segunda-feira (12), também em função do alto consumo. Mas, na região, o problema também é recorrente.

De acordo com o relato de uma fonte, que procurou o jornal via rede social, a falta de água já é comum para os moradores do bairro. “Tem gente que mora aqui há mais de vinte anos e sempre foi assim”, comentou. O superintende afirmou que a companhia “trabalha constantemente” para aplacar a falta de abastecimento e que em alguns locais é essencial que os moradores tenham caixa de água, para criar um estoque.

No Fundo Canoas, a esperança é a nova bomba que, segundo o superintende da companhia deve ser instalada nesta quarta-feira (14). “Já estava programado para fazermos isso antes desse evento da enchente, mas como há uns 15 dias começou a chuva a gente não conseguiu. Hoje (13) de manhã foi feito uma escavação na rua Vitor Konder para ser instalado a nossa bomba”, disse Gonçalves.

Ele explicou que o abastecimento na região é o grande gargalo da cidade atualmente. “O Fundo Canoas é abastecido por uma rede que passa do lado da estação de tratamento, passa pelo Marconi, sobe a Vitor Konder e cai ali no R2 [reservatório] perto da BR-470, que já é comecinho do Progresso.

Em dias normais essa rede já estava com dificuldades de abastecimento, quando aconteceu esse consumo excessivo ai o problema se agravou. Por isso no Fundo Canoas, e quando eu falo Fundo Canoas é Progresso, Alto Progresso e Fundo Canoas, a demanda é tão grande que a gente se obrigou a interligar ele com o sistema de bombeamento do R2, aquele do lado do Baixo Progresso”, disse.

 

Normalidade nos próximos dias

Mesmo assumindo que os problemas são recorrentes, a Casan afirma que o abastecimento deve ser normal nos próximos dias para toda a população, porque o consumo excessivo diminuiu. “Já está bem normalizado. Hoje (13) já tivemos um dia bem diferente, a lavação de rua já diminuiu muito”, comentou Gonçalves.

O superintendente ainda disse que chegou a ser questionado sobre a lavação de ruas após muitos locais serem atingidos pelas cheias, mas concluiu que não haveria outra alternativa senão usar água para fazer a limpeza de residências e ruas. “É questão de saúde pública também. A gente precisa lavar, a Prefeitura tem que lavar as ruas porque se não lavar também fica a poeira e inalar poeira também é ruim, é questão de saúde pública”, comentou. A orientação geral é que em fins de semana e feriados, quando as pessoas estão em casa e aproveitam para limpar ou fazer serviços de jardinagem, é que a água seja economizada e, assim, não falte abastecimento para ninguém.

Suellen Venturini