Alto Vale

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Em Ibirama a baixa procura pelas mamografias doadas pela Rede Feminina de Combate ao Câncer, em alusão a Campanha Outubro Rosa, preocupa a entidade e traz um alerta de que muitas mulheres têm deixado de fazer os exames preventivos que podem detectar precocemente o câncer de mama.

Ao todo a RFCC doou 100 exames, mas apenas 36 mulheres fizeram o cadastro, que agora acabou sendo prorrogado até o dia 22 de outubro. As interessadas em ganhar o exame podem fazer seu cadastro de segunda à quinta-feira das 13h30 às 17h30.

Segundo a presidente da Rede Feminina de Ibirama, Tayana Marchetti Meirelles, quando são questionadas sobre porque não fazem exames preventivos muitas mulheres alegam como motivo a demora do Sistema Único de Saúde, no entanto as voluntárias perceberam que as pacientes não vêm se cuidando como deveriam. “Mesmo a gente disponibilizando o exame gratuitamente, com agilidade e conseguindo até o transporte, poucas mulheres se interessaram e o resultado disso são os impactos lá na frente, no aumento de casos, na descoberta de um câncer em estado mais avançado e mais difícil de tratar”, disse.

Ela ressalta ainda que talvez algumas mulheres também tenham deixado de fazer o exame em 2020 por medo da pandemia, mas garante que a mamografia deve ser realizada todos os anos por mulheres a partir dos 40 anos e que é possível fazer o cadastro e o exame com toda a segurança. “Neste ano a queda na realização de exames preventivos foi muito grande porque muitas mulheres estão com medo de ir até uma unidade de saúde, mas todos os cuidados estão sendo tomados e se a mamografia não for feita, o problema pode ser bem maior”, ressalta.