Alto Vale
Foto: Divulgação/Prefeitura de Rio do Oeste

O município de Rio do Oeste foi pioneiro na região do Alto Vale do Itajaí ao implantar uma política pública de saúde animal: os mutirões de castração de cães e gatos, e a vacinação acessível de animais domésticos.

O primeiro mutirão ocorreu em abril de 2015, com a castração de mais de 220 animais. A campanha de vacinação, lançada nesse mesmo ano, atendeu mais de 110 animais, entre cães e gatos. Visto a necessidade e a assiduidade da população rio-oestense e do Alto Vale do Itajaí, o poder público municipal decidiu abrir vagas para os moradores de outras cidades nos mutirões posteriores.

O poder público municipal arca com os custos da castração de fêmeas para a população de baixa renda e para os protetores de animais do município. Deste modo, atinge um número muito mais expressivo no controle populacional dos animais errantes que perambulam nas vias da cidade.

O incentivo público veio com a necessidade de combater o abandono, os maus-tratos, a proliferação de doenças e os acidentes oriundos do descontrole populacional desses animais errantes. Isso levou à consolidação de uma parceria entre o Executivo Municipal, apoiada pelo prefeito Humberto Pessatti e pelo secretário de saúde, Luiz Müller, e a comunidade rio-oestense, que se prontificou em trabalhar voluntariamente nos mutirões e nas campanhas de vacinação.

Em 2016, surgiu a necessidade de ter um espaço dedicado às campanhas de castração e vacinação de cães e gatos. Foi então que o poder público inaugurou o primeiro Centro de Prevenção de Zoonoses do Alto Vale do Itajaí. Os mutirões, que antes ocorriam duas vezes por ano, passaram a ocorrer a cada dois meses a partir de 2017, atendendo não somente às necessidades da população de Rio do Oeste, mas também de todo o Alto Vale.

Em 2017, mais uma parceria é firmada. Os poderes municipais de Rio do Oeste e Laurentino estabelecem uma parceria para que haja um determinado número de vagas disponíveis exclusivamente aos habitantes de Laurentino. O poder municipal de Laurentino também custeou as castrações para a população carente e para os protetores de animais.

O ano de 2017 se encerra com mais de 2.000 animais castrados nesses dois anos e oito meses desde o primeiro mutirão de castração. Hoje, o Centro de Prevenção de Zoonoses atende todo o Alto Vale do Itajaí, e inclusive pessoas de Blumenau, Jaraguá do Sul e Florianópolis.

Atualmente, as vagas são preenchidas numa média de 55% por Rio do Sul, 30% por Rio do Oeste, 7% por Laurentino, 5% por Agronômica e 3% por outros municípios. O número de vagas para Rio do Oeste é preenchido conforme a necessidade, isso mostra o reflexo das campanhas anteriores que reduziram drasticamente o número de animais errantes nas vias públicas.

O total pago em castrações pelo poder público nestes dois anos e oito meses é de R$ 28.902,00, além do investimento de R$ 23 mil na reforma do prédio que hoje sedia o Centro de Prevenção de Zoonoses de Rio do Oeste. A agenda para 2018 já está pré-definida, e deve ser lançada no final de janeiro.