Alto Vale
Foto: Divulgação

Reportagem: Rafaela Correa/ DAV

Durante o período de pandemia alguns eventos beneficentes se adequaram e movimentaram várias cidades do Alto Vale. Um bom exemplo é o grupo SOS Agrolândia que já existe há alguns anos e ajuda diversas pessoas. Em 2020, para arrecadar valores em dinheiro, os voluntários resolveram montar o Bazar Solidário, que em sua segunda edição, no dia 10 arrecadou R$11.191,60.

A fundadora do grupo, Priscila Rusch disse que o valor superou as expectativas dos organizadores e que embora tenham tido despesas com decoração, lembrancinhas, doces para as crianças, camisetas, lanches, sacolas e sacos de lixo, o montante ainda é alto, cerca de R$8.700,00. “O valor arrecadado foi muito maior do que o grupo imaginava. Como forma de gratidão pelo sucesso do bazar, a gente resolveu repassar um valor para a Apae do município de Agrolândia e também será destinada uma doação ao asilo do Braço Trombudo, nós ainda estamos aguardando o retorno do asilo para saber qual a maior necessidade deles no momento, mas eles também receberão a doação”, diz.

Priscila conta que a ajuda da Igreja Luterana, disponibilizando o local para realização do bazar foi essencial, mas que com o retorno das atividades não será mais possível utilizar o espaço. “O bazar terá a última edição em novembro, porque as atividades na igreja estão retornando e nós não teremos mais esse espaço disponível, ainda não temos um data definida pois estamos esperando uma posição da igreja, mas depois disso teremos que contar com a sorte para continuar desenvolvendo esse trabalho voluntário”, lamenta.

Como o resultado foi positivo e a intenção sempre foi ajudar, o SOS Agrolândia decidiu fazer doações para a Apae do município e também ao Asilo de Braço do Trombudo. “A gente repassou pouco mais de R$2 mil para a Apae que pediu em cestas básicas, entramos em contato para saber o que eles queriam, mas pediram cestas para doar aos alunos carentes da instituição. Para o asilo ainda não sabemos”, afirma.

Ela destaca que o valor em caixa será guardado para ajudar as famílias carentes que precisarem e que de todas as compras haverá prestação de compras. “A gente ficará com um valor em caixa para ajudar as famílias carentes no decorrer do tempo, aí tudo o que a gente compra, nós prestamos conta nas nossas redes sociais para dar transparência. As pessoas podem acompanhar”, explica.

A fundadora do SOS ressalta a dificuldade em conseguir doações e diz que todas são personalizadas. “Como o bazar vai ser a última edição, precisamos cuidar com muito carinho desse valor porque a gente sabe que não é fácil para conseguir e hoje uma ajuda para cada família custa em torno de R$350 ao grupo porque além do sacolão, nós entregamos kits de higiene e limpeza e leite, se a família tiver crianças vão fraldas, cada ajuda é montada de acordo com a necessidade da família”, completa.

Ela destaca ainda a participação da Igreja Evangélica de Confissão Luterana e pessoas que contribuíram com o bazar. “A gente agradece ao pessoal da igreja que nos abriu as portas, disponibilizou o espaço e que apoiou, comprou a ideia e que em forma de gratidão a todos que colaboraram de forma direta, indireta, com doações, com compras, com a divulgação”, finaliza.

1º Bazar Solidário

No primeiro Bazar Solidário que foi realizado no dia 12 de agosto, o bazar arrecadou R$3.622,00, descartando as despesas, o valor líquido foi de R$3.100,72.