Alto Vale
Foto: Emerson Rengel

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

O 16º Boletim Hidrológico de Estiagem emitido pela Epagri/Ciram aponta que com a falta de chuva a situação vem se agravando no estado. No Alto Vale Chapadão do Lageado registra a situação mais crítica com nível do rio na classificação de Emergência. Outras duas cidades, Taió e Salete, também estão em estado de alerta.

O diretor da Defesa Civil de chapadão do Lageado, Orli Carlos Paul, esclarece que na cidade o problema com a falta de água é recorrente já que o município é cortado por um córrego. “Aqui nós dependemos muito de poços artesianos porque temos apenas um córrego que corta a cidade. Então para ajudar os agricultores, especialmente os que vivem nas partes mais altas e sofrem mais em períodos de estiagem, o Executivo procura ajudar fazendo poços”, comentou.

Na cidade o nível do rio baixou seis centímetros em relação ao último boletim, o que indica que a situação vem se agravando. A agricultora Silvania Medeiros que vive na localidade de Chapadão Rio do Meio que é uma das mais altas do município comenta que eles já sentem os impactos da estiagem. “Para tomar por enquanto ainda temos água, mas a nossa grande preocupação é a agricultura. O milho não conseguimos colher pela seca. Essa semana tivemos que colocar esteira para aumentar açúde para irrigar a cebola, mas se não chover não teremos água nem para isso”, relata.
O estado teve um agravamento da seca em quase todas as regiões devido aos baixos volumes de precipitação nos últimos dois meses. A Secretaria Executiva do Meio Ambiente (SEMA), integrada à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE), monitora a situação junto com a Defesa Civil do Estado.

“Quando se trata do interior de Santa Catarina, a situação hidrológica é mais grave que no resto do estado. Portanto, o comprometimento do abastecimento urbano em diversos municípios e a intensidade da estiagem permanecem e exigem o monitoramento contínuo”, destaca o secretário da SEMA, Leonardo Ferreira.
Ele acrescenta que o Governo do Estado retorna com a emissão de boletins quinzenais e na atuação conjunta com a Defesa Civil para acompanhar mais de perto a situação do agravamento da seca.

Próximos meses

A previsão para os meses de maio e junho é de precipitação abaixo da média para Santa Catarina, principalmente entre o Meio e Extremo Oeste catarinense. Ou seja, indica um período ainda mais seco neste período. Com este resultado, é importante praticar o consumo consciente e racional de água.“Praticar o consumo consciente de água não significa deixar de usar o recurso, mas sim repensar as suas formas de uso”, finaliza o diretor de Recursos Hídricos e Saneamento da SDE/SEMA, Pedro Brolezz.