Política
Foto: Nelson Jr. ASICSTSE

Cláudia Pletsch/DAV

Depois da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de manter o indeferimento da candidatura do candidato a prefeito e vencedor das eleições em Petrolândia, Rogério Domingos (PP), a população deve voltar às urnas ainda nesse ano. Agora as definições giram em torno dos nomes que as duas coligações vão lançar para concorrer ao Executivo.

Quem assumiu a administração temporariamente foi a presidente da Câmara de Vereadores, Ângela Krindges da Mota e atuando como prefeita interina desde o início do ano ela seria um dos nomes mais cotados para concorrer pela coligação MDB/Podemos que em 2020 lançou os candidatos Edson Padilha e Sandra Tholl. A dupla acabou perdendo as eleições com uma diferença de apenas 177 votos.

A decisão de concorrer pela coligação de acordo com Ângela vai depender dos partidos. “Na verdade não há nada definido pois a gente já tem os candidatos que concorreram na outra eleição e por isso não foi definido nada. Hoje como interina eu ainda continuo presidente da Câmara, também tem essas definições em conjunto com meus colegas da Câmara. Isso o partido vai ter que definir fazer reunião com diretório e trazer todos os nomes que podem concorrer pois podem haver outros nomes que também queiram concorrer”, revela.

Mas apesar de não ter uma definição com relação ao partido a prefeita interna diz que tem vontade de permanecer no comando do Executivo e que legalmente ela pode concorrer, mas teria que desistir da presidência da Câmara. “Eu até tenho vontade. Quando concorri a vereadora agora pela terceira vez eu até coloquei inicialmente meu nome à disposição para concorrer ao Executivo mas não fechou com a coligação. Hoje já mudou muito o cenário político mas isso tudo eu não posso decidir sozinha, mais para frente a gente vai estar se reunindo e definindo”, avalia.

Ângela revela ainda que acreditava que ficaria um período muito menor à frente do Executivo, mas se diz feliz com a oportunidade. Ela explica também que o partido pretende lançar uma pesquisa para definir quais serão os nomes que vão concorrer. “Já foi levantada a hipótese de a gente estar fazendo umas pesquisas mais para a frente, é um pedido até do partido e quem sabe possa ser colocado meu nome”, comenta.

Já o candidato eleito em 2020, Rogério Domingos (PP), diz que irá concorrer novamente já que não teve a candidatura impugnada, apenas indeferida por ter perdido o prazo para a entrega de documentação. “Meu nome está à disposição novamente da nossa coligação e se assim os dois partidos entenderem que o nome da gente pode voltar à concorrer estarei à disposição sim e estamos aptos a concorrer que não temos nenhum problema com a Justiça Eleitoral”, avalia.

Segundo Déio, como é conhecido, pela coligação PP/PSD o seu vice continuaria sendo o professor Selmo Klauberg. “A princípio a gente viu que os partidos querem que o nosso nome continue a disposição da mesma forma de antes”, conta.
A data para a realização das eleições ainda não foi definida e vai depender do andamento da pandemia.