Variedades
Acompanhada de Josafá, Suelen Dadam planeja se tornar mãe(Foto: Diorgenes Pandini/NSC Total)

Alguém muito próximo, senão você mesmo, fez nos últimos dias uma lista de metas e desejos para 2019. É uma prática comum, que envolve a mística do ano novo e de que a renovação do calendário também traz novas energias. Mas será que o ano que chega será o momento para realizar o grande sonho da sua vida?

Muitas pessoas se programam para começar novos planos em janeiro. Faz sentido, principalmente, para os objetivos no setor financeiro. Isso porque muitos receberam o 13º salário em dezembro e usam o benefício para organizar as contas.

O início do ano representa um novo ciclo, e este é um fator estimulante para o psicológico. Canalizar esta energia reciclada para os novos projetos é bom, mas a life coach Liamar Fernandes recomenda que o padrão mental deve ser sempre positivo, durante os 365 dias:

– As pessoas fazem cartinhas de intenção, mas chegam na metade do ano e acaba a energia. Se acho que a energia é alta em janeiro, vou achar que a energia em agosto e setembro é baixa.

 

Elencar metas no papel ajuda na organização. Objetivos pontuais, mesmo que simples, facilitam para alcançar uma grande meta. É como pensar em uma escadaria em que cada pequeno objetivo é um degrau que leva ao topo.

– Se a meta está muito distante, isso não serve de motivação. Então, fatiar em metas menores facilita, e vale começar por qualquer coisa – afirma a consultora financeira Annalisa Blando Dal Zotto.

Nas finanças, uma boa resolução é começar uma reserva financeira. Um estudo do serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) constatou que apenas 30% dos brasileiros guardam dinheiro. A orientação é acumular o suficiente para pagar três meses de despesas para salvar na hora de imprevistos e evitar cheques especiais e créditos rotativos. Outra dica é aproveitar janeiro para estruturar um orçamento financeiro familiar.

A life coach Liamar Fernandes diz que quando se estabelecem as metas, é preciso colocar prazos para alcançá-las. E provoca:

– Prazos para a conclusão precisam ser colocados, mas é preciso fazer autorreflexão: por que não começar agora?

Liamar ainda enfatiza que as ações para realizar os sonhos precisam aliar-se com o pensamento positivo. É preciso ter um padrão mental que agrega valor ao objetivo. Por fim, a recomendação da profissional, que tem mais de 43 anos de experiência, é que cada um exerça a gentileza e tenha sempre em mente: “Quanto mais eu facilito, mais a vida fica fácil para mim”.

Confira como algumas dessas e outras estratégias podem ser colocadas em prática por catarinenses que entram 2019 com sonhos bem definidos.

Planos para quando a maternidade chegar

Suelen Dadam, 35 anos, tem muitos planos para 2019, mas o principal deles é se tornar mãe pela primeira vez. Ao traçar seus desejos para 2018, ela havia prometido que continuaria fazendo o que a alegrava e sentia estar cheia de amor no coração. No último Carnaval, ela conheceu Josafá Fernandes da Silva, também de 35 anos.

Alguém muito próximo, senão você mesmo, fez nos últimos dias uma lista de metas e desejos para 2019. É uma prática comum, que envolve a mística do ano novo e de que a renovação do calendário também traz novas energias. Mas será que o ano que chega será o momento para realizar o grande sonho da sua vida?

Muitas pessoas se programam para começar novos planos em janeiro. Faz sentido, principalmente, para os objetivos no setor financeiro. Isso porque muitos receberam o 13º salário em dezembro e usam o benefício para organizar as contas.

O início do ano representa um novo ciclo, e este é um fator estimulante para o psicológico. Canalizar esta energia reciclada para os novos projetos é bom, mas a life coach Liamar Fernandes recomenda que o padrão mental deve ser sempre positivo, durante os 365 dias:

– As pessoas fazem cartinhas de intenção, mas chegam na metade do ano e acaba a energia. Se acho que a energia é alta em janeiro, vou achar que a energia em agosto e setembro é baixa.

Elencar metas no papel ajuda na organização. Objetivos pontuais, mesmo que simples, facilitam para alcançar uma grande meta. É como pensar em uma escadaria em que cada pequeno objetivo é um degrau que leva ao topo.

– Se a meta está muito distante, isso não serve de motivação. Então, fatiar em metas menores facilita, e vale começar por qualquer coisa – afirma a consultora financeira Annalisa Blando Dal Zotto.

Nas finanças, uma boa resolução é começar uma reserva financeira. Um estudo do serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) constatou que apenas 30% dos brasileiros guardam dinheiro. A orientação é acumular o suficiente para pagar três meses de despesas para salvar na hora de imprevistos e evitar cheques especiais e créditos rotativos. Outra dica é aproveitar janeiro para estruturar um orçamento financeiro familiar.

A life coach Liamar Fernandes diz que quando se estabelecem as metas, é preciso colocar prazos para alcançá-las. E provoca:

– Prazos para a conclusão precisam ser colocados, mas é preciso fazer autorreflexão: por que não começar agora?

Liamar ainda enfatiza que as ações para realizar os sonhos precisam aliar-se com o pensamento positivo. É preciso ter um padrão mental que agrega valor ao objetivo. Por fim, a recomendação da profissional, que tem mais de 43 anos de experiência, é que cada um exerça a gentileza e tenha sempre em mente: “Quanto mais eu facilito, mais a vida fica fácil para mim”.

Confira como algumas dessas e outras estratégias podem ser colocadas em prática por catarinenses que entram 2019 com sonhos bem definidos.

Planos para quando a maternidade chegar

Suelen Dadam, 35 anos, tem muitos planos para 2019, mas o principal deles é se tornar mãe pela primeira vez. Ao traçar seus desejos para 2018, ela havia prometido que continuaria fazendo o que a alegrava e sentia estar cheia de amor no coração. No último Carnaval, ela conheceu Josafá Fernandes da Silva, também de 35 anos.

O casal, que mora em Biguaçu, na Grande Florianópolis, optou por pular os ritos tradicionais de namorar, noivar, casar. Em julho, quando começaram o relacionamento, conversaram sobre os desejos de cada um e decidiram ter um filho.

Suelen parou de tomar pílulas anticoncepcionais e começou o acompanhamento em uma ginecologista. Engravidar a partir dos 35 anos é mais difícil e há mais riscos. Em uma ultrassonografia, ela foi diagnosticada com ovários policísticos.

A médica pediu o exame novamente e nada foi detectado. Suelen toma hormônios para auxiliar na ovulação, e o marido acompanha em um aplicativo qual dia do mês é o mais fértil.

– Sei que preciso relaxar, mas é difícil. Quero muito ser mãe. Meus pais já estão com mais de 65 anos e quero que meus filhos tenham a oportunidade de aproveitar o que eles têm a oferecer – conta Suelen.

O casal pretende ter três crianças – e adoção está nos planos. Para 2019, o maior plano de Suelen é realizar o sonho da maternidade, mas ela também quer voltar a lecionar, ver sua escola de samba, a Unidos da Coloninha, de Florianópolis, campeã e ajudar outras mulheres a lutarem por direitos e sonhos.

Vida e esperança renovadas para pai e filha

– Encaro 2019 como um ano de vitórias – o pensamento positivo vem de José Jeso da Silva Lino, 61 anos, que terá o primeiro ano de uma nova vida.

O aposentado enfrentava desde 2015 um problema renal que o colocou na fila de espera por um transplante, e há cerca de três anos decidiu mudar de Macapá, capital do Amapá, para Joinville, no Norte de Santa Catarina, em busca de tratamento. A espera terminou há três meses e, agora, com o transplante realizado, ele espera vivenciar uma nova conquista: ver a filha Amélia Regina Lino, 36, também conseguir um doador compatível.

Foi dela a escolha da cidade catarinense para lutar por um transplante. Joinville é referência na área por contemplar o Hospital São José, líder estadual na doação de órgãos, e a Fundação Pró-Rim, responsável por mais de 1,6 mil transplantes renais em três décadas. A luta começou quando ela tinha 29 anos e precisou encarar as sessões de hemodiálise, depois de perder a função renal por complicações do lúpus, uma doença do sistema imunológico.

José Lino conseguiu transplante bem-sucedido há três meses e serve de inspiração para Amélia, que aguarda por um doador compatível(Foto: Salmo Duarte/NSC)

Amélia já passava pelo rito das sessões regulares de hemodiálise no município desde 2012, quando seu Lino apresentou problema renal. E, apesar de ela ter iniciado o tratamento bem antes do pai, foi ele quem conseguiu encontrar primeiro um doador compatível.

Para ele, a espera foi curta, de cerca de três meses entre a entrada na fila, no segundo semestre de 2018, e a realização da cirurgia, ocorrida em 25 de setembro no Hospital Municipal São José. A cirurgia pode ser considerada de sucesso e, passados os meses iniciais pós-transplante, o novo órgão não apresenta rejeição.

– Ganhei mais qualidade de vida e sensação de liberdade, porque dependente da hemodiálise eu sentia como se estivesse preso a uma cadeira. Estava confiante de que iria conseguir. Agora essa confiança passa para a minha filha – reforça Lino.

Mesmo sem garantia de que a conquista para ela virá em 2019, o que aconteceu com o pai José serve como inspiração. Amélia sabe que a possibilidade existe e vale sonhar.

– Jamais deixei de acreditar, e já estou nessa espera há pelo menos cinco anos, mas pode acontecer de uma hora para a outra. Então, ver que o meu pai conseguiu renova as minhas esperanças, que nunca se acabam – admite Amélia.

Os futuros recém-casados Jennifer e Samuel

É nas primeiras páginas de 2019, ainda em branco, que o casal Jennifer Thayline dos Santos Moreira Hartkopff e Samuel Lock pretende escrever o primeiro capítulo de uma nova história de vida. Os dois vão protagonizar o primeiro casamento do ano em Blumenau, de acordo com levantamento feito nos cartórios locais. A cerimônia está marcada para 5 de janeiro.

O prólogo deste conto se passa há quase dois anos, quando Samuel viu Jennifer na igreja que frequentava e logo planejou a vida a dois. O namoro avançou para o noivado no dia do aniversário dela.

– Eu queria marcar a data do casamento o quanto antes, a mais próxima possível. Desde quando começamos a namorar eu já pensava em casar com ela. Procurei fazer tudo certinho, até chegar essa hora. Casamento é coisa sagrada – conta o noivo, que tem 21 anos.

Os dois moram em casas separadas. Ele com os pais e ela com a avó, que a criou desde pequena. Se por um lado o coração dos dois está cheio de amor e ansioso pelo casamento, o da avó está angustiado.

– Já estou ficando com o coração apertado. Imagina, estou acostumada com ela dentro de casa desde pequena e agora não vou tê-la mais aqui comigo. Mas a gente fica feliz também, né? Eles formam um casal bom, não tenho nada para reclamar dos dois. Espero que sejam muito felizes – afirma a avó da noiva, Gessi dos Santos, 70 anos.

Jennifer e Samuel vão subir ao altar no dia 5 de janeiro (Foto: Patrick Rodrigues/NSC)

Aos 17 anos, Jennifer tenta esconder a ansiedade misturada com saudade antecipada de casa quando fala dos planos e das metas que quer alcançar com o matrimônio.

– Sei que a vida depois de casar não se trata mais apenas de mim. Vão ter dias difíceis em que terei que apoiá-lo, e ele, me apoiar. Pretendo ajudar o máximo que puder. Sempre fui muito apegada aos meus parentes. Nos criamos todos juntos, primos, primas, tios e tias. Sem dúvida, vou sentir muitas saudades – conta a noiva, que em 2019, além do casamento, quer garantir também o primeiro emprego.

Tudo já está pronto. Vestidos, ternos, gravatas, sapatos, maquiagens e a decoração para a cerimônia, marcada para as 18h do dia 5 na igreja da Assembleia de Deus do bairro Água Verde. A festa também está garantida, logo depois do culto.

A casa onde os recém-casados vão morar é alugada, mas já está pronta, no aguardo dos futuros moradores. Cenário ideal para começar a vida de casados. O pequeno caminhão estacionado na garagem sinaliza de onde virá o sustento do novo lar, para consolidar o próximo sonho do casal: a casa própria.

Apaixonados e à espera da nova fase na vida, Samuel e Jennifer serão os primeiros casados a percorrer este novo caminho transformador chamado 2019.

O primeiro emprego de Guilherme

Joinvilense está motivado com os rumos profissionais(Foto: Salmo Duarte/NSC)

O joinvilense Guilherme Xavier, 21 anos, começará 2019 de emprego novo – é o primeiro da carreira dele. O estudante de Ciências da Computação decidiu ganhar experiência profissional mesmo antes de se formar e, em menos de seis meses, conseguiu. A entrada no mercado de trabalho está marcada para o dia 7. É uma oportunidade que considera “dos sonhos”: o estágio em uma empresa de tecnologia em Joinville.

A realização do objetivo não foi tarefa fácil. Guilherme precisou concorrer com mais de 260 candidatos ao longo de todas as etapas de seleção e foi escolhido entre os 15 aptos a participar do Lumus Experience, programa de capacitação e formação de talentos em UX Design – área dedicada à experiência do usuário. Além dele, somente outros dois participantes do curso foram selecionados para trabalhar na companhia.

– Quando fizeram a proposta aceitei feliz porque vi na empresa características semelhantes ao que estou buscando, que vai além do conhecimento técnico e tem o ideal de causar impacto na vida das pessoas. A expectativa agora é iniciar o trabalho e ser um agente de transformação dentro do time, para crescer com a empresa e fazer de 2019 um ano positivo – afirma o jovem.

O foco de Guilherme nos primeiros meses de estágio é deixar sua marca ao longo dos próximos 12 meses para alçar desafios maiores dentro da própria companhia. Para isso, destaca sua capacidade de não se esconder diante de desafios e não ter medo de errar:

– As minhas expectativas são as mais altas possíveis porque estou chegando ao fim da graduação e este era um momento de decisão em que eu precisava definir o que queria profissionalmente. E essa experiência na qual estou prestes a ingressar serve para abrir uma porta para todo um universo profissional.