Cidade
Foto: Divulgação

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Rio do Sul (CDL) lançou nesta semana a campanha #TodosContraoCorona que busca reforçar a importância da conscientização de comerciantes e população em geral sobre os cuidados necessários para evitar a disseminação da doença. O objetivo é alertar ainda que as lojas não são o foco da contaminação e mostrar que a grande maioria dos estabelecimentos já vêm sendo impactados significativamente e um fechamento total pode trazer consequências ainda mais negativas do ponto de vista econômico.

O vice-presidente da CDL, Rafael Hafemann Moser, comenta que todos passam por um momento difícil da pandemia e que há uma pressão muito grande de vários órgãos e entidades para um novo lockdown em Santa Catarina, o que traria mais prejuízo para os pequenos comércios.

“Então lançamos mais uma campanha para tentar reforçar esses cuidados e tentar evitar um novo fechamento das lojas embora a gente saiba que o grande problema de disseminação do vírus não está no nosso comércio, não é no pequeno lojista que acontecem as aglomerações. Além disso, sabemos que os estabelecimentos estão tomando todos os cuidados, mantendo afastamento, fornecendo álcool gel e seguindo todas as recomendações, mesmo assim reforçamos mais uma vez para importância desses cuidados que é o que está ao nosso alcance”, afirmou.

Pesquisa revela impactos negativos

Ele revelou ainda que uma pesquisa feita com associados da CDL de Rio do Sul apontou impactos reais da pandemia nos comércios da cidade. “Os comércios já registram um grande prejuízo. Um dos resultados que tivemos na nossa pesquisa é que 65% dos entrevistados responderam que tiveram uma diminuição nas suas vendas e desses que tiveram a redução, cerca de 63% falaram que ela foi de até 30% e outros 13% comentaram que a redução nas vendas foi de mais de 50% então isso é um impacto muito negativo e que está causando prejuízos há mais de um ano. Por isso falamos que se houvesse um novo lockdown uma boa parte dos lojistas não iria conseguir manter suas portas abertas porque já estão trabalhando no limite”.
Atualmente o comércio é o setor que mais gera empregos na cidade e a preocupação da entidade é garantir a saúde de todos os comerciantes, colaboradores e clientes e também manter os empregos para que a economia não seja ainda mais afetada.