Alto Vale
CRS/DAV

 

Em um evento realizado nesta semana, a Celesc apresentou seu orçamento previsto para 2020 para investimentos e manutenção. Cerca de R$ 1,2 bilhão serão aplicados nas áreas de geração, transmissão e distribuição de energia, além do custeio das atividades operacionais e de apoio, de projetos em Pesquisa & Desenvolvimento e Eficiência Energética, programados para ocorrer neste ano.

 

Para o Alto Vale, segundo o gerente regional da Celesc, Manoel Arisoli Pereira, a previsão é de que o montante seja de aproximadamente R$ 51 milhões: R$ 24 milhões para investimentos, R$ 17 milhões para o programa Celesc Rural e outros R$ 10 milhões para a ampliação da subestação de Ituporanga. Apesar dos números serem expressivos, ele acredita que o valor poderia ser maior.

“Nós poderíamos estar investindo mais aqui se tivéssemos uma demanda de energia elétrica maior do que a que temos hoje”, comenta.

 

Manoel explica que os investimentos da Celesc são sob demanda e que o planejamento das ações é feito através de estudos e projeções de até 15 anos.

“Analisamos aberturas de novos loteamentos, construção e chegada de empresas, enfim, o crescimento normal de uma região”, explica.

 

Para ele, a situação precária da BR-470 também contribui para que os recursos destinados à região não sejam maiores.

“Em 2018, Santa Catarina teve um crescimento de cerca de 5% no consumo de energia. No entanto, o Alto Vale registrou queda de pelo menos 2% nesse mesmo período. Além disso, todas as regiões, de acordo com os dados da Facisc, registraram crescimento econômico. Aqui, esse índice foi negativo”, conclui. “O Alto Vale, hoje, tem basicamente ficado em uma ilha”, completa.

 

Arisoli acredita que a união de representantes políticos junto ao Estado e ao Governo Federal poderia ser o primeiro passo para que o cenário comece a mudar.

“Precisamos de representatividade política também dos nossos municípios. É preciso enxergar que alguma atitude deve ser tomada para que essa região volte a ser reconhecida não apenas pela boa qualidade de vida, mas sim uma região pujante no desenvolvimento econômico”, salienta.

 

Celesc Rural

 

Em 2019, o programa Celesc Rural foi lançado com o objetivo de transformar redes monofásicas em redes trifásicas, além da instalação de cabos protegidos. Conforme Manoel, o valor do investimento no Programa em 2019, foi de cerca de R$ 12 milhões.

”Esse, sem dúvida, é o maior investimento em termos de modernização da rede elétrica que a região rural do Alto Vale já tenha visto”, pontua.

Luana Abreu