Saúde
Foto: Divulgação

Cláudia Pletsch/DAV

No município de Presidente Getúlio 130 exames de eletrocardiograma, ecocardiograma, ultrassonografia e eletroneuromiografia aguardam para serem retirados na Secretaria de Saúde há mais de dois meses. As laudas que não foram buscadas pelos pacientes somam um valor de R$ 19 mil que foi investido pelo poder público municipal. Agora o apelo dos profissionais é para que as pessoas realizem a análise apenas com a certeza de que vão dar continuidade no tratamento.

A secretária de Saúde do município, Iara Possamai, explica que todos os meses a prefeitura investe um valor de R$ 53 mil para manter na cidade um ambulatório com sete especialistas e seis tipos de exames especializados. Ela conta também que quando o paciente realiza a consulta e posteriormente o exame, precisa voltar e retirar o resultado para que seja apresentado ao médico e para que seja dado o seguimento no tratamento. Mas isso nem sempre acontece, e os exames que ficam na Secretaria são dinheiro público jogado fora.

“Essa é a nossa maior preocupação pois o paciente vai na Unidade de Saúde e esse exame é solicitado pelo médico geral. A gente implantou o Ambulatório Geral de Saúde e todos os exames são feitos no município, por isso a gente tem um custo com isso, o médico vem e realiza os exames e fica esperando o paciente retornar com o exame. Aí o paciente faz, mas não busca o resultado e não dá continuidade ao tratamento, então são vários problemas acarretados só por não buscarem esses exames”, avalia.

A Secretária ressaltou ainda que para facilitar o acesso as laudas foram encaminhadas para as Unidades de Saúde de cada paciente, e ela ainda faz um apelo e pede a conscientização de todos. “Esse valor a gente poderia estar investindo em outro paciente que realmente precisa, que realmente foi lá pois precisa continuar seu tratamento, e as vezes esses pacientes que estão fazendo e não buscando tiram a vaga de gente que necessita realmente, além de ser um dinheiro público que está sendo investido em vão”, finaliza.

No momento, aproximadamente 70 pessoas aguardam para fazer ultrassom e ecocardiograma. Estes serão atendidos a partir do mês de março.