Alto Vale
Foto: Afubra

Reportagem Rafaela Correa/DAV

Os prejuízos causados pelas fortes chuvas e granizo que atingiram o Alto Vale na última semana ainda não foram calculados, mas plantações de fumo e cebola podem ter sido as mais atingidas.

De acordo com o gerente regional da Epagri de Rio do Sul, Mauro Nunes, os relatórios de perdas nas lavouras de cebola ainda não foram feitos, já que no momento não há como estimar a quantidade de produção afetada. “Não foi feito levantamento de perdas, têm surgido PROAGRO, prejuízos na cultura da cebola por granizo, porém nesse momento não tem como estimar o valor das perdas. Isso será feito apenas na colheita, avaliando se realmente causou perdas significativas”, explicou Mauro.

Questionado sobre a quantidade plantada do produto, Mauro explica que na safra passada, a região possuía mais de 13 mil hectares e cinco mil famílias trabalhando no cultivo. “Esta safra ainda está sendo plantada, então não tem como saber exatamente, mas o cálculo de aproximadamente 13 mil hectares inclui os municípios de Alfredo Wagner e Leoberto Leal que não fazem parte dos municípios da Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí”, destaca.

De acordo com a Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente de Ituporanga, a cebola foi uma das culturas mais afetadas no Alto Vale. Um relatório elaborado pela pasta embasado em visitas às propriedades locais mostra que um dos problemas foi a erosão do solo. “As principais culturas prejudicadas foram a cebola e o fumo, sendo que a área equivale a aproximadamente 200 hectares. Nós constatamos em vistoria também, que um dos principais problemas foi relacionado a perda de solo, por conta do processo de erosão devido à chuva. De modo geral é possível estimar uma perda na produção de cerca de 30%, o que equivale a um prejuízo de mais de R$600 mil no município”, comenta a secretária de Agricultura.

Além das plantações de cebola, cerca de nove mil famílias trabalham com cultivo de fumo no Alto Vale. Em entrevista ao DAV, o coordenador da Associação dos fumicultores do Brasil (Afubra) de Rio do Sul, Rafael da Silva, disse que no geral os prejuízos foram altos para alguns produtores. Em Santa Terezinha uma plantação de 17 dias foi completamente destruída. “O levantamento ainda está sendo feito, mas nós temos entre Rio do Sul e Ituporanga , cerca de 450 atingidos. Tem fumo recém-plantado e tem fumo com até 10 folhas por pé. É bem desigual. As lavouras no município de Santa Terezinha foram as mais atingidas, teve lavoura com até 100% de perda, completamente destruídas”, finaliza