Sem categoria

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

O Ministério da Saúde liberou recentemente um pacote de R$ 4 bilhões extras para estados e municípios reforçarem suas ações de combate ao coronavírus e Rio do Sul vai recebeu cerca de R$ 4,5 milhões. A quantia é um adicional ao que já era recebido para custeio de ações e serviços relacionados à saúde e o Executivo estuda de que forma vai aplicar esse dinheiro.
O valor já está na conta, mas o prefeito de Rio do Sul, José Thomé, explica que a forma como ele será investido deve ser divulgada nas próximas horas. “É um valor muito significativo e estamos trabalhando com bastante cautela. Teremos ações de curto, médio e longo prazo e ações de baixo, médio e alto custo. Há todo um trabalho que Rio do Sul como polo macrorregional precisa fazer”, afirmou.
Ele ressalta que a cidade sedia o Hospital Regional, a Policlínica de Referência Regional e uma Unidade de Pronto atendimento (UPA). “Temos uma população de mais de 70 mil habitantes, mas o Alto Vale soma mais de 300 mil habitantes, então é um processo de construção do investimento bastante criterioso e delicado de ser feito, não podemos errar”, completou.
Thomé diz ainda que esse momento exige investimentos estratégicos e que o combate ao coronavírus é uma etapa e o atendimento as pessoas já infectadas é outro. “Agora com esse recurso estamos estudando amplamente cada centavo desse dinheiro que será investido”, disse.
Na prática, o repasse especial é uma espécie de décimo terceiro do sistema público de saúde. No entanto, a verba vem carimbada para uso específico em ações de combate ao avanço da Covid-19.

Fôlego financeiro

Com os recursos, estados e municípios terão mais fôlego financeiro em caixa para aquisição de materiais e insumos, abertura de leitos, além do custeio de profissionais de saúde, ações e procedimentos, de acordo com a necessidade local, para enfrentamento específico ao coronavírus.
O valor destinado corresponde a uma parcela mensal do que cada estado ou município já recebe para ações de média e alta complexidade ou atenção primária. De acordo com a portaria, municípios que recebem recursos para média e alta complexidade têm direito a uma parcela mensal extra, em igual valor.