Alto Vale
Foto: Tatiana H. / DAV

Ainda tentando se recuperar da enxurrada que atingiu as cidades no início do mês, os moradores de Atalanta e Agrolândia poderão ter um dinheiro extra para reconstruir o que perderam das casas. É que as prefeituras solicitaram à Caixa Econômica Federal a liberação do Fundo de Garantia do Trabalhador Social (FGTS).

Os dois municípios já fizeram o decreto de Situação de Emergência e encaminharam ao Governo de Santa Catarina, mas aguardam a homologação do Estado e do Governo Federal para então dar continuidade ao processo de liberação do benefício, que é aguardado com ansiedade por muitos moradores.

A embaladora Ronilda Samp, que vive na rua Hercílio Luz, uma das mais atingidas em Agrolândia, conta que depois de perder tudo, recebeu doações de amigos e comprou alguns móveis com o dinheiro que tinha de reserva, mas afirma que a liberação do FGTS seria muito importante para toda a população e muitos aguardam uma resposta positiva. “Muitas pessoas não tinham uma reserva como eu e vão precisar bastante desse dinheiro, então seria muito bom se liberasse”, comentou.

Na cidade mais de 200 casas foram alagadas e os prejuízos foram privados e também públicos, já que pontes e estradas foram danificadas pela enxurrada. A água também trouxe perdas na área rural já que plantações inteiras foram levadas. Apenas um produtor perdeu mais de 11 mil aves.

De acordo com o prefeito de Atalanta, Juarez Miguel Rodermel, o Sassá, na cidade 60 casas foram atingidas, além de dezenas de estabelecimentos comerciais e prédios públicos. Pontes também foram arrancadas pela água e os prejuízos somam mais de R$ 1 milhão, por isso ele destaca que o dinheiro seria tão importante para movimentar a economia. “Estamos aguardando a homologação para depois encaminhar tudo para a Caixa e temos duas opções, de pedir a liberação para a toda a população ou para as famílias atingidas, mas isso ainda vai ser avaliado. De qualquer forma seria importante porque a comunidade poderia usar esse dinheiro para comprar móveis e ainda movimentar o comércio que também foi muito atingido”, disse.

Helena Marquardt