Alto Vale
Divulgação - Cravil

 

Reportagem: Jorge Matias – DAV

 

O Alto Vale, que tem em média 10 mil hectares plantados de arroz, já teve cerca de 50% das lavouras colhidas e a intensificação da produtividade se dá a partir deste mês. De acordo com a Cooperativa Regional Agropecuária Vale do Itajaí (Cravil), as primeiras colheitas ficaram abaixo da expectativa, no entanto, a tendência é de melhora.

 

Conforme o engenheiro agrônomo, Gentil Colla Junior, a produtividade esperada para a região já começa a ser alcançada.

“As primeiras lavoras não tiveram uma produtividade premium, porém as colheitas que estão sendo realizadas agora, já indicam um aumento significativo, atingindo os padrões de produtividade no Alto Vale. Não será uma super safra, mas será uma safra boa”, disse.

 

O produtor Nilton Venturi, de Agronômica, tem 24 hectares de arroz plantados. Ele afirma que a expectativa é de produzir 240 toneladas nessa área.

“A média está muito boa, colhemos cerca de 12 toneladas por hectare e o objetivo é finalizar a colheita até o final deste mês”, afirmou.

 

Em relação aos materiais cultivados na região, o agrônomo da Cravil destaca a variedade SCS 122 Miura que vem tendo bom resultado até agora.

“O que notamos a nível de campo são os materiais convencionais como o 122 que vêm aparecendo com uma produtividade muito boa. No entanto nós temos que avaliar a safra daqui para frente, quando despontar a questão de produtividade e matérias nas colheitas da região do Alto Vale”, avaliou.

 

Quanto a temperatura, o engenheiro agrônomo explica que algumas áreas mais altas, onde as lavouras estão em fase de florescimento ou enchimento de grãos, podem ser prejudicadas.

“Precisamos aguardar para ver o comportamento do clima nos próximos dias para poder avaliar melhor de que forma isso pode afetar essas lavouras”, finalizou Gentil Colla Junior.

 

Perspectiva para 2020

 

A produção agrícola brasileira deverá bater novo recorde em 2020, atingindo 243,1 milhões de toneladas. A estimativa foi divulgada pelo IBGE. A safra prevista vai superar a colheita recorde registrada em 2019, quando avançou 6%, com 241,5 milhões de toneladas.

 

O avanço estimado é de 1,6 milhão de toneladas (0,7%) em relação ao ano passado. A previsão é influenciada pela produção de quatro dos cinco produtos de maior importância no agronegócio brasileiro: algodão herbáceo, feijão, arroz e soja. Somente o milho deverá ter uma produção menor neste ano, por conta do declínio da primeira safra.

 

Segundo o IBGE, somente a colheita da soja deve avançar 7,8% em 2020, com um total de 122,4 milhões de toneladas no país, 8,9 milhões de toneladas a mais que a maior produção da leguminosa, registrada em 2019. Se confirmada a previsão, será a maior colheita do produto do mundo, superior à dos Estados Unidos.

 

A expectativa para 2020 é puxada pelo Mato Grosso, maior produtor de soja do país, que tem colheita estimada em 33 milhões de toneladas, um crescimento de 2,2% em relação a 2019.