Clima
Foto: Giuliano Gomes/PR Press

Em Curitiba, não se fala em outro assunto que não seja o calor intenso dos últimos dias. O que mais se vê pela cidade, são pessoas procurando uma forma pra se refrescar.

VEJA A GALERIA DE FOTOS

Entre segunda-feira (31) e sexta (4), as temperaturas tiveram uma média de 30ºC na capital.

No zoológico municipal, os animais também estão da mesma forma – a diferença é que eles têm uma equipe preparada que se antecipa e se preocupa a cada estação do ano para oferecer a condição ideal, que se adapte ao ambiente natural de cada espécie.

Segundo a bióloga Nancy Benevicius, os primatas, por exemplo, apesar de estarem acostumados com as altas temperatiras da Amazônia, de onde vieram, sentem um calor muito parecido com o dos humanos.

“Só que eles têm uma super vantagem em relação aos humanos. Assim como eles têm o pelo que protege no inverno, o pelo também serve como termoregulador no verão”, conta a bióloga.

Ela detalhou que entre os pelos se formam camadas de ar, e essa camada de ar funciona como se fosse um isolante térmico.

“Então, por exemplo, as lhamas, todo mundo acha que elas passam muito calor no verão por conta da pelagem alta e tal, mas, não, é bem tranquilo”, explicou.

De qualquer forma, segundo Nancy, os animais sempre procuram pelo menos uma sombra pra se refrescar. Também adoram sorvetes, que são feitos de acordo com uma dieta especial à base de frutas refrescantes como laranja, melão, melancia, entre outras.

“E como a gente deixa tudo armazenado em uma câmara fria, eles acabam recebendo tudo bem geladinho mesmo”, ressalta.

Os recintos também ajudam, já que grande parte tem lagos, piscinas e até uma espécie de “chuveirinho”, no caso das aves.

“A gente acaba desenvolvendo todas essas atividades de enriquecimento para dar um maior bem-estar pra eles, mesmo que grande parte não precise porque naturalmente já são adaptados a essas situações de altas ou baixas temperaturas”, acrescentou a bióloga.

O Tobias, o camelo que adora dar um show aos visitantes que se aproximam do recinto dele, é um exemplo de que não precisa de ajuda pra se refrescar no verão. Isso porque nessa época do ano ele perde toda a pelagem. No inverno, a camada grossa de pelo volta para evitar que ele não passe frio.

O tigre Tom também adora fazer um charme. Mesmo com uma piscina pequena, ele chega a fazer inveja na hora de mergulhar e se refrescar.

Já o Bob, o chimpanzé, não gosta de se exibir muito. Quando os sorvetes são lançados pra ele, Bob corre para pegar e desfrutar da delícia dentro do recinto.

Nestor Fernandes é de Paranaguá, no litoral do Paraná, e aproveitou para passar alguns dias de férias na capital e visitar o zoo.

“Apesar de morar em uma cidade quente, eu estou estranhando esse clima da capital. Fico feliz que os animais estão sendo bem cuidados, eles também devem sofrer com esse calor. Ao perceber o tigre na piscina, Fernandes brincou: “Deu até uma invejinha”.

Já a dona de casa Salete Mariano da Silva Caraca, que mora em Francisco Beltrão, no sudoeste do estado, disse que o clima está quente, mas nem tanto. “Na minha cidade é um forno. Tô achando mais fresquinho que lá”, comemorou.
Zoológico de Curitiba

O Zoológico Municipal de Curitiba fica localizado no bairro Alto Boqueirão e atualmente abriga 1, 7 mil animais de 250 espécies em uma área de 589 mil metros quadrados. A visitação é gratuita.

O parque está entre os cinco maiores zoológicos do Brasil e recebe cerca de 650 mil visitantes por ano.

Em 2018, as equipes foram responsáveis por trazer ao mundo 85 filhotes. Entre eles, espécies ameaçadas de extinção como as marianinhas, o mono-carvoeiro, o macaco-aranha-de-cara-preta, a jacutinga e os papagaios-de-peito-roxo.

Lhamas, cervicapras, alpacas, cutias-da-amazônia estão entre os demais habitantes nascidos ao longo do ano passado.

O horário de funcionamento do zoo é de terça à sexta, das 9h às 17h, e sábados, domingos e feriados, das 10 às 17h. O parque fica na Rua João Miqueletto, e a visitação é gratuita.

De carro, o acesso é feito pelo Jardim Paranaense pela Rua Eduardo Pinto da Rocha, seguindo pela Rua João Miqueletto, que dá acesso ao estacionamento do zoo.

De ônibus, é possível chegar ao parque saindo da Praça Carlos Gomes até o terminal do Boqueirão, com o ligeirinho Centro Cívico-Boqueirão, ou linha São José – Boqueirão (antiga São José Barreirinha).

No terminal do Boqueirão, também é possível pegar o ônibus Zoológico e descer no ponto final. Aos domingos, funciona ainda a linha Pinheirinho – Zoológico, que sai do Terminal do Pinheirinho e tem como ponto final o Zoológico.

Por G1 PR