Alto Vale, Sem categoria
Foto: divulgação Bombeiros de Presidente Getúlio

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Em Presidente Getúlio o comandante dos Bombeiros Voluntários da cidade, que estava no cargo há cerca de 11 anos,  foi afastado após denúncias de irregularidades a frente da corporação que agora deve passar por uma auditoria fiscal.  Uma Comissão de Sindicância vai apontar se ele cometeu r alguma ilegalidade, mas o homem garante que está sendo injustiçado e que as provas vão apontar que tudo foi feito dentro da lei.  No meio do escândalo, o atual presidente alega que nesta segunda-feira (20) também sofreu um atentado e que um homem não identificado chegou a disparar tiros contra ele.

O atual presidente Luciano Grippa, afirma que o afastamento do comandante ocorreu após denúncias anônimas que serão investigadas, mas não esclareceu quais crimes ele teria cometido. “Não podemos acusar sem verificar se todas são verídicas, porém, o afastamento se faz necessário para não haver interferência no trabalho da Comissão de Sindicância”, relatou.

Durante o afastamento, que será de no mínimo 30 dias, ele explica que todas as correspondências, comunicados ou responsabilidades técnicas ficarão ao seu encargo. Grippa afirma ainda que a entidade conta também com uma equipe que continua prestando todos os serviços normalmente. “Abaixo do comandante em afastamento temos dois sub-comandantes e ainda em nossa corporação possuímos profissionais em Recursos Humanos para dar suporte ao momento que será de turbulências, porém acredito que com o apoio de todos, comunidade e bombeiros, juntos sairemos mais fortalecidos”, afirmou.

Ele comenta ainda que a Comissão de Sindicância terá total liberdade para realizar uma auditoria fiscal e apurar todos os fatos e depois apresentar um relatório.

Já o comandante afastado, Amarildo Molinari afirma que foi pego de surpresa com a notícia e diz que já está tomando as providências cabíveis. “Espero que o mais breve possível isso seja resolvido, assim como serão tomadas as medidas cabíveis no momento oportuno para responsabilizar todos aqueles que estão cometendo essa injustiça”, declarou.

Molinari alega ainda que foi afastado com base no artigo 44 que trata de problemas de má conduta e mau uso da corporação. “Mas se formos observar o Estatuto Social o presidente não seguiu o Estatuto, ele não pode sozinho montar essa comissão, ela deve ser montada pela diretoria que não se reúne desde o dia 30 de março por causa da pandemia. Me surpreende essa atitude, mas estou a disposição e vou colaborar com aquilo que for necessário e juntando todas as provas vou procurar os meus direitos”, completa.

Ele declarou que todos os documentos da corporação estão à disposição para análise e afirma que sua função é meramente operacional. “Minhas funções são praticamente atividades de cunho operacional. Eu meramente auxilio a diretoria. Todas as movimentações financeiras são feitas com assinatura do tesoureiro e mensalmente aprovadas o Conselho Fiscal se reúne para avaliar todas as prestações de contas, analisa nota por nota, comprovantes de pagamento e emite um parecer se foi aprovado e se tiverem alguma dúvida esclarecem com o tesoureiro”, diz.

Atentado contra o atual presidente

Nesta segunda-feira (20) o atual presidente Luciano Grippa registrou um Boletim de Ocorrência alegando ter sido alvo de uma tentativa de homicídio por volta das 13 horas quando trafegava pela localidade de Mirador. No BO ele relata que passava pelo local e ouviu buzinas num gol prata e, ao terminar uma curva, se deparou com um homem armado no meio da pista e que teria disparado dois tiros contra ele. O suspeito não foi identificado porque estaria de máscara. “Por pouco não capotei o carro ao tentar me esquivar dessa pessoa armada. Muito nervoso com a situação acionei a Policia Militar, que realizam buscas no local e lavram um Boletim de Ocorrência. A que ponto chegamos?, questiona.