Cidade
Foto: Divulgação

Reportagem: Kelley Alves/DAV

Redução de 50% das 835 novas vagas da Área Azul que foram anunciadas pela Administração de Rio do Sul e incremento das áreas demarcadas. Foram estes os principais pleitos discutidos durante a audiência pública realizada na manhã desta quinta-feira (10), na Câmara de Vereadores de Rio do Sul. Legisladores, empresários, técnicos da prefeitura e a associação de moradores do bairro Jardim América debateram as mudanças previstas para o estacionamento rotativo da cidade. As sugestões agora serão analisadas pelo poder Executivo. A intenção é que as novas vagas sejam distribuídas nas ruas Dom Bosco, Duque de Caxias e General Osório, no bairro Jardim América.

Segundo a chefe de Divisão de Trânsito, Nicolle Pacheco Woiblet, que participou da audiência, o principal ponto discutido no encontro foi a revisão do atual estudo, para avaliar a possibilidade de 50% das vagas projetadas. “Agora vamos discutir esta situação. Não foi estipulado prazo. Como as decisões são tomadas pela gestão, passarei todas as informações para que seja avaliado e decidido”, garante.

Em relação às áreas que já estão demarcadas – das 835, 345 já foram inclusive sinalizadas, embora não estejam em funcionamento – a chefe de Divisão de Trânsito argumenta que todo o estudo foi embasado principalmente em anseios da população envolvida. “As propostas serão avaliadas pela gestão, mas temos que deixar claro que os pedidos de implementação foram motivados por pleitos oficiais, via protocolo, de determinados setores da sociedade. E isso sempre precisa ser levado em conta”, lembra.

Durante o encontro, a vereadora Sueli de Oliveira mediou as discussões. Segundo ela, é preciso achar uma alternativa que seja viável para todos os envolvidos. “Já tive outras reuniões com a comunidade e continuarei fazendo esta mediação, para que possamos encontrar a melhor solução, tanto para quem trabalha na área quanto para quem visita a nossa cidade e precisa de lugar para estacionar”, observa.

Para o vereador Cláudio Azevedo, as sugestões correspondem apenas a medidas atenuantes que, no futuro, terão que ser revistas. “A opção dos 50% é uma atitude paliativa, pois num futuro próximo, teremos que rever isso. A Câmara é apenas uma formadora de opinião, pois a decisão e execução cabem ao executivo”, lembra o parlamentar.

“Nós, como munícipes, devemos pensar em sustentabilidade, redução de veículos como meio de transporte particular (idas e vindas de pequenas distâncias) e privilegiar as ciclovias e calçadas com condições de uso”, opina ainda o vereador.

As ruas estão sinalizadas, mas as vagas só poderão ser operadas quando a Área Azul, concessionária do serviço, receber as máquinas de etiqueta. “Até o momento, eles já têm selecionado a ampliação da equipe e novos pontos de venda. Mas o prazo definitivo para início da ampliação e cobrança ainda depende da chegada dos equipamentos”, indica a chefe.