Nacional
Divulgação

 

Para 2020, a meta é privatizar 300 ativos, levantando R$ 150 bilhões, destacou o secretário de desestatização do governo em evento do Credit.

 

O Secretário de Desestatização do governo Bolsonaro, Salim Mattar, disse que o cronograma é privatizar a Telebras em julho de 2021, os Correios em dezembro do mesmo ano e a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) em janeiro de 2022.
Para 2020, a meta é privatizar 300 ativos, levantando R$ 150 bilhões, segundo Mattar.

“Em 2019 ficamos muito focados na reforma da Previdência, este ano a agenda de desestatizações irá caminhar mais”, afirmou.

 

O secretário destacou também que a União participa de 698 empresas e que Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal e Petrobras não serão privatizadas.