Alto Vale
Foto: Airton Ramos/DAV

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Santa Catarina (Crea-SC) realizou eventos na 11ª Fersul durante o dia de ontem (18). Segundo os representantes da entidade, foi uma forma de prestigiar esta realização tão importante para a região do Alto Vale e também de trazer seus projetos para perto da comunidade local.

O presidente do Crea-SC, Carlos Alberto Kita Xavier, destacou a relevância do evento para o estado e os principais assuntos levantados na oportunidade. “O Crea trouxe toda sua diretoria, também a realização de uma reunião de Câmara, juntamente com o engenheiro da cidade Eduardo Aragão. Estamos aqui para prestigiar, estamos em todo o estado, mas na ocasião, prestigiando Rio do Sul”, salientou o presidente.

Durante a tarde foi assinado ainda um convênio com a Prefeitura de Ibirama, que visa a fiscalização, mas Xavier destacou que a atuação do órgão vai além dessa atribuição regulamentadora. “Nós entendemos que apesar do Crea ter uma atividade de fiscalização, nós também temos que difundir a orientação. Para isso, desenvolvemos a Cartilha da Acessibilidade, da Engenharia Pública Gratuita, fomentando a orientação”.
Xavier ainda diz que a intenção do Crea-SC, que foi eleito como o Crea referência do Brasil, é estar perto da sociedade e garantir a segurança e a qualidade de vida da população catarinense.

Acessibilidade

Pela manhã, os membros do Crea debateram a Cartilha de Orientação de Acessibilidade, desenvolvida pela sua comissão específica do assunto. A cartilha é uma ação pioneira do Conselho em âmbito nacional, e serve de referência para que as construções e obras sejam desenvolvidas a partir de um padrão que permita o trânsito seguro e facilitado para as pessoas em todos os lugares das cidades brasileiras.

O engenheiro da Comissão de Acessibilidade, Daniel Faganello, explicou que esta cartilha atende as necessidades de diversos públicos, promovendo além da sua acessibilidade, a inclusão social. “A cartilha surgiu em 2011 com a necessidade de haver um direcionamento neste sentido. Existiam normas e leis federais, mas nada compilado. No documento fica claro também que não é direcionado apenas para cadeirantes, colocamos ali também a situação para pessoas obesas, gestantes, idosos, carrinhos de bebê, deficientes visuais. Então, são várias situações observadas”, contou Faganello.

A partir desta Cartilha, o Crea desenvolveu uma palestra para atender as necessidades de atualização no assunto, levando o conteúdo até onde existem as demandas de adaptação. “A palestra tem a intenção de formar multiplicadores. Então, os membros da Comissão de Acessibilidade vão até os locais, instruem os inspetores e conselheiros do Crea para que eles possam levar a cartilha para o município deles”, disse o engenheiro.

Airton Ramos