Política
Foto: Daniel dos Santos

O deputado federal Décio Lima (PT), líder da Oposição no Congresso Nacional e presidente estadual do PT, cumpriu agenda em Rio do Sul nesta quinta-feira (30). O deputado participou da assembleia geral da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar de Santa Catarina (Fetraf), onde debateu a reforma da Previdência, e se encontrou com lideranças partidárias e militância da região durante a reunião do PT de Rio do Sul.

Em entrevista concedida a equipe de reportagem do jornal Diário do Alto Vale, o pré-candidato ao governo do Estado falou do momento atual da política brasileira e das expectativas para as eleições do ano que vem. De acordo com o deputado, Santa Catarina vive o fim de um ciclo com o término do mandato do governador Raimundo Colombo (PSD). “A tríplice aliança, que é como ficou chamado os dois mandatos do Luiz Henrique e esses dois do Colombo, chega ao fim desse ciclo, eles não se articulam mais”, ressalta.

Segundo Décio Lima, Santa Catarina não possui políticas públicas de inclusão e alguns segmentos, como a agricultura familiar, por exemplo, necessitam de mais atenção por parte do Estado. “Não há um Estado que realmente toque o cidadão. A grande pergunta que eu acho que o povo de Santa Catarina haverá que fazer no ano que vem é a seguinte: para quê serve o Estado? Qual é a razão do Estado?”, questiona o pré-candidato a governador.

O deputado ainda criticou as Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) e disse que “o Estado criou um gigante inútil”, porque elas não têm participação significativa na vida do cidadão. “Esse Estado é praticamente ausente na vida do povo catarinense. Eu acho que há perspectiva, independente de partidos, para aqueles que conseguirem ter uma formação de conteúdo que possa dialogar com todos os setores da sociedade e que possa aglutinar uma visão de futuro para o nosso estado”, declara.

Candidatura ao governo do Estado

De acordo com a primeira pesquisa eleitoral realizada pelo Instituto Mapa e contratada pelo Grupo RIC e pela Associação dos Diários do Interior (ADI), Décio Lima aparece com 11,6% das intenções de votos no Cenário 1, empatado com o deputado federal Mauro Mariani (PMDB) e atrás do senador Paulo Bauer (PSDB), com 29%. “A um ano da eleição, nós nunca passamos dos 2%. Fiquei contente, porque em todas as eleições o PT larga com 2%. Quem analisa a pesquisa, diz que passou de dois dígitos fica competitivo. E se você analisar, eu estou disputando para estar no segundo turno”, reforça Décio Lima.

O deputado ainda ressalta que irá defender as causas do trabalhador durante sua campanha eleitoral e complementa: “você nunca vai ver eu prejudicar um pobre para defender um rico. Acho que nós não podemos excluir ninguém, mas o nosso lado é o lado do processo de inclusão, porque acho que isso é o grande significado da vida pública”.

Eleições para presidente da República

Ao ser questionado sobre a ascensão do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC/RJ) nas pesquisas de intenção de voto para a presidência da República, Décio Lima foi direto, e declarou que não está nem um pouco preocupado com o político. “Preocupação com o Bolsonaro eu quero te dizer que eu não tenho nenhuma. Eu conheço ele, é um deputado desqualificado, desprezível, não tem conteúdo, não conhece o Brasil, não conhece o povo brasileiro, ignora nossa história, então, é uma pessoa completamente despreparada”, dispara.

Ele ainda completa dizendo que o Bolsonaro atrapalha a direita e fortalece a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “O Bolsonaro hoje atrapalha a eleição do Alckmin, essa turma do lado de lá. Para nós, não. Inclusive, as pesquisas mostram. Para nós vai ser uma coisa maravilhosa disputar essa eleição se for com o Bolsonaro, embora eu ache que o Lula ganhe no primeiro turno”, conclui o deputado.

Carolina Ignaczuk