Alto Vale
Foto: Arquivo DAV

Cláudia Pletsch/DAV

A Defesa Civil do Estado de Santa Catarina (DCSC) assinou nesta quarta-feira (30), a autorização de três processos licitatórios para o início das atividades de reforma e estudo de impacto socioambiental que envolvem a Barragem de José Boiteux. O município tem a maior barragem de contenção de cheias do estado, com o volume de 357 milhões de metros cúbicos e foi colocada em operação no ano de 1992.
Há muitos anos os líderes políticos, indígenas e comunidade vêm cobrando o projeto de recuperação do local, já que a construção não possui um canal extravasor, o que poderia vir a ocasionar acidentes graves, caso a barragem enfrentasse uma forte cheia. Entre os processos autorizados nessa quarta-feira estão: a elaboração do componente indígena e o estudo de impacto socioambiental no valor de R$ 1.940.730,54. O projeto de recuperação da barragem no valor de R$ 256.200,50 e a construção do canal extravasor no valor de R$ 7.477.184,33.
No evento on-line para assinatura do projeto estiveram presentes o Governador Carlos Moisés da Silva, o prefeito de José Boiteux, Jonas Pudewel, representantes da Defesa Civil, representantes das lideranças indígenas, além do secretário Nacional de Segurança Hídrica, Sergio Luiz Soares de Souza Costa. Os líderes políticos que estiveram presentes falaram sobre a importância da assinatura do projeto e sobre a segurança que a obra traz para toda região.
O representante das lideranças indígenas e da terra indígena Laklãnõ, cacique presidente Ndili Criri, diz que essa é uma luta antiga do povo Xokleng. “Acho que é um momento muito importante para os povos Xokleng e é um momento de muita satisfação estar aqui para ver essa assinatura para que se faça o levantamento do impacto ambiental e social dessa barragem. É uma luta antiga e agora felizmente vamos dar o pontapé inicial para que isso seja feito”, comemora.
O chefe da Defesa Civil, Aldo Batista Neto, ressaltou o respeito em relação às questões sociais e ambientais envolvidas em torno da barragem. “Gostaria de deixar claro a todos o quanto a Defesa Civil de Santa Catarina respeita as questões sociais e ambientais envolvidas pelo impacto que a barragem causa, mas também queremos agradecer aos técnicos da Defesa Civil, a nossa presidência da República, ao ministro do Ministério de Desenvolvimento Regional e ao secretário nacional de Segurança Hídrica por toda a visão estratégica e todo o esforço que foi colocado para que nós tivéssemos recursos financeiros garantidos para essas obras. Indiscutivelmente a estadualização da barragem e a ampliação principalmente dos seus sistemas de segurança a exemplo do canal extravasor, do cercamento, da recuperação da estrutura e do seu comandamento. Essas melhorias vão trazer sim toda a segurança necessária e que é devida”, finalizou.