Cidade
Foto: Divulgação/ilustrativa

Cláudia Pletsch/DAV

Baseado na Rede de Vizinhos da Polícia Militar, a Defesa Civil de Rio do Sul está desenvolvendo um projeto piloto com moradores do bairro Valada São Paulo em Rio do Sul. A iniciativa consiste na criação de um grupo com integrantes da Defesa Civil e moradores, e tem como objetivo a aproximação entre secretaria e comunidade. No grupo são encaminhados alertas meteorológicos e solicitações da comunidade.

De acordo com o diretor de Defesa Civil, Renato Abreu, a Valada São Paulo foi escolhida para dar início ao projeto por ser uma das localidades mais atingidas pelas cheias e foi uma das mais impactadas pela enxurrada de dezembro de 2020. Abreu explica que os grupos são um canal de comunicação a mais, e ressalta que o programa não substitui o contato através do 199. “A Defesa Civil dentro da sua legislação prevê o trabalho de prevenção e então pegamos a expertise da Rede de Vizinhos e adaptamos para a Defesa Civil, que se constitui no grupo de whatsapp que tem todo um arcabouço de informações no projeto e ele que visa que as pessoas possam colocar no grupo apenas informações referentes a Defesa Civil. Estamos colocando lá diariamente informações de meteorologia e informações extra de demandas que estejam acontecendo no bairro. Mas o grupo serve principalmente para receber informações de situações relacionadas ou até demandas da comunidade que tenham a ver com a Defesa Civil”, avalia.

A criação do grupo se deu com a ajuda de profissionais da Saúde, Abreu comenta que no bairro Valada São Paulo foi uma agente de saúde que levou o projeto, apresentou para as famílias e trouxe para a secretaria os nomes dos interessados em fazer parte. De acordo com o diretor, se a situação da pandemia melhorar, devem ser realizadas reuniões nas comunidades para apresentar o projeto.

Até o momento são 29 pessoas que integram o grupo que deve ser implementado somente em áreas de alto risco, principalmente de deslizamentos e desmoronamentos. “Hoje nós temos o site da Defesa Civil que já é uma fonte de consulta mas sabemos que muitas pessoas tem dificuldade de acessar, então em casos de fortes chuvas por exemplo a gente vai também enviar os alertas através dos grupos como uma forma de dar mais agilidade na comunicação. Estamos dando prioridade agora principalmente para os locais atingidos por deslizamentos pois a enchente acontece de forma gradativa, tem todo um tempo hábil para ter essa informação, já onde acontecem deslizamentos é muito rápido, basta um grande volume de chuva para que isso possa acontecer, o fato acontece tão rápido que não há uma previsão do acontecimento e por isso o grupo, para agilizar o contato com a comunidade”, finaliza.