Cidade
Foto: Divulgação

Atualmente, o Governo do Estado de Santa Catarina permite a realização de competições oficiais pelas Federações e entidades apenas com liberação pela Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte), desde que, todos os atletas e membros da equipe apresentem o teste negativo da Covid-19.volta de competições e eventos esportivos de rendimento também escancara uma dificuldade para muitos projetos: a testagem de atletas envolvidos nos jogos e a adaptação para as competições. Algumas equipes de Rio do Sul já enfrentam essa realidade que gera custos, adaptação nos treinos e uma nova rotina de preparação para as competições.

O coordenador técnico do projeto de futsal da Bonfor/FMD Rio do Sul, Marcio André da Rosa, que também auxilia o técnico GeremiasLautert Paula nas atividades, lembra que em 2020 para participar do Campeonato Catarinense Sub-17 de Futsal a equipe rio-sulense já precisou realizar a testagem. Ele cita que além de todas as adaptações nos locais de treino, como aferição de temperatura, garrafas de água individualizadas, uma série de cuidados foi necessário para participar da competição.

“Além do cuidado no local de treino, com uniformes, afastamento e uma série de detalhes, precisamos orientar o atleta para se cuidar. O teste é a confirmação que todos podem entrar em quadra seguros. Por ser uma modalidade coletiva, temos contato constante, então fica sempre esse dilema, mas felizmente não tivemos problemas”, comentou.

Com a grande procura pelas modalidades por testes, os valores da testagem têm sido reduzidos: atualmente custam R$ 20 por atleta, o que gera um custo de R$ 300 por jogo, já que são 12 atletas testados, mais três membros da comissão técnica. Marcio citou que com esses valores por partida seria inviável disputar uma competição estadual, por isso, como os testes são válidos por sete dias, nesse período, haverá mais jogos.

“Se nós jogar 10 partidas, vamos ter um investimento de R$ 3 mil, o que inviabiliza a nossa participação, porque temos custos com transporte, alimentação que o município já está arcando. A alternativa é encurtar a distância dos jogos e em uma semana disputar duas partidas, para conseguirmos economizar”, explicou.

De acordo com o técnico das equipes de rendimento de futsal de base de Rio do Sul, Geremias, com jogos oficiais disputados em apenas uma semana, não há muito tempo para treino e correção de erros dos jogos. “É uma competição totalmente diferente. Antes jogávamos, voltávamos para casa, tínhamos tempo de treinar, corrigir erros e organizar e agora é tudo diferente, ficou mais dinâmico, é jogo sobre jogo, e precisamos passar isso para os atletas, a importância de eles estarem sempre bem preparados e concentrados”, falou.

O treinador relatou que essa nova realidade ocorre também em outras equipes que estão se adaptando para as competições. Ele detalha que no aspecto técnico muda bastante a forma de trabalhar. “Infelizmente estamos ainda em um período difícil de pandemia, e o esporte está se adaptando, as modalidades estão se reencontrando. Seguindo todos os protocolos, temos mostrado que é seguro sim estar em quadra jogando e treinando. Acredito que é dessa forma que precisamos atuar”, disse.

Rio-sulenses estreiam em Camboriú

A equipe de futsal Sub-17 da FMD Rio do Sul estreia no Catarinense de Futsal no dia 26 deste mês, em Camboriú. Serão duas partidas em dois dias. O primeiro duelo é contra Curitibanos e o segundo contra os donos da casa. A segunda rodada da chave deve ser disputada apenas em julho, também em Rio do Sul.

“Estamos treinando todos os dias e bem confiantes em realizar boas partidas. Como é um grupo novo, esses primeiros jogos são importantes para os meninos sentirem a competição, mas acredito muito no potencial deles pelo que vem apresentando todos os dias”, declarou Geremias.