Cidade
Foto: Albanir Júnior/DAV

Um menino de 11 anos foi parar na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional Alto Vale, de Rio do Sul, após ser atingido na cabeça por uma bola de bocha na última terça-feira (22). O caso aconteceu durante uma aula de Educação Física, realizada na Escola Modelo Ella Kurth, no bairro Rainha. Depois de passar por uma cirurgia de emergência e ser encaminhado à UTI, Meives Eduardo Vollert agora está fora de perigo e seu quadro é estável.

De acordo com a diretora da Escola Modelo Ella Kurth, Klairy Wutzowa, a professora de Educação Física estava ensinando os alunos a arremessar peso quando o acidente aconteceu. Já que a escola não possui uma bola de ferro, que normalmente é utilizada nessa modalidade, uma bola de bocha que pesa aproximadamente um quilo serviu como substituta. “O combinado é que ela atendesse cada aluno, ensinando como fazia o procedimento. O aluno deveria lançar, pegar essa bola e vir por fora da fila, e o Meives fez o contrário. Ele lançou, buscou a bola e veio em direção ao lançamento. A professora estava atendendo o aluno que ia lançar, e quando o aluno lançou o Meives voltou”, conta a diretora.

Segundo a diretora, os primeiros socorros foram feitos e a criança estava aparentemente normal. Meives participou do recreio e permaneceu na escola até o final da aula. “A professora e a pedagoga pegaram gelo, olharam, fizeram testes de olhar pupila, tudo aquilo que tem nos primeiros socorros”, relata Klairy. A diretora também disse que a avó do aluno foi avisada do acontecimento, e que a professora a alertou para ficar de olho em qualquer sintoma que poderia ser causado pela pancada. “Às 11h da manhã a professora ligou para a vó e disse que ele havia levado uma pancada na cabeça. Ela falou para cuidar dele, e olhar ele durante à tarde e à noite porque pode dar reação”, conta.

Quando estava no transporte escolar a caminho de casa, a criança passou mal. Segundo relato do motorista, Meives estava chorando e vomitou algumas vezes. Logo depois, a monitora do ônibus ligou para a avó da criança e a avisou sobre o ocorrido. “Depois eu liguei para o motorista e disse: ‘como é que está a criança?’. Ele disse que não estava bem e que estava passando mal. Eu falei para levar ele direto para casa, e ele deixou toda a criançada no ônibus e levou o Meives primeiro”, explica a diretora.

Após ser deixado com a avó no ponto de ônibus próximo a sua casa, o estudante foi levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA). De lá, ele foi transferido ao pronto-socorro do Hospital Regional Alto Vale, onde passou por uma bateria de exames e depois por uma cirurgia de emergência. Já na quarta-feira (23), Meives saiu da UTI. Ele permanece internado e seu estado de saúde é estável, mas familiares não quiseram divulgar mais informações sobre o caso. “Fomos todos os dias [ao hospital], mesmo com a família se fechando. A família não quer contato e a gente respeita”, relata Klairy.

Agora, a Escola Modelo Ella Kurth está sendo acusada de negligência pela família do aluno, que registrou um Boletim de Ocorrência na delegacia. No entanto, a diretora rebateu as acusações e disse que a escola cumpriu com o seu papel. “Negligência nunca. A gente não é negligente, porque a gente é mãe, avó, o motorista é pai e assim por diante”, conclui.

A reportagem do Jornal Diário do Alto Vale tentou contato com os familiares, mas até o fechamento desta edição não obteve retorno.

Carolina Ignaczuk