Alto Vale
Foto: Divulgação

Reportagem: Rafaella Correa/DAV

A ligação asfáltica entre Petrolândia e a BR-282 é uma demanda antiga e muito aguardada por todos os moradores. Após muitos anos de espera, o Governo do Estado finalmente atendeu aos diversos pedidos e a licitação para contratação de empresa para elaboração do projeto de pavimentação da SC-110 está marcada para o dia 15 de abril.

O trecho de aproximadamente 30 quilômetros faz a ligação entre o Alto Vale e a Serra Catarinense, um caminho que as pessoas usam para encurtar a distância entre as regiões. Quem também utiliza muito o trajeto são as empresas do ramo de madeira que escoam o produto pela rodovia. Segundo a prefeita do município, Angela Adriana Krindges da Mota essa é uma rota de fluxo intenso de madeireiras, e em razão disso é difícil manter a estrada em boas condições.

Angela também destaca as possibilidades que a pavimentação do trecho vão trazer não só ao município de Petrolândia, mas também outras cidades próximas. Entre as vantagens citadas estão o turismo e o alívio do fluxo na BR-470. “Meu sonho é o sonho de todo petrolandense, tanto na parte da saúde, quanto na parte de turismo, quanto na diminuição do movimento na BR-470. É uma região linda, que vai servir de turismo. Vai abrir muito essa possibilidade, inclusive com a santa em Ituporanga vamos receber muita gente da serra, que vai descer para o Alto Vale para conhecer a região e vai passar por aqui onde temos muitos lugares bonitos para conhecer. Nós temos camping, temos a represa, então isso vai estimular o desenvolvimento da nossa região no turismo e também vai desafogar a BR-470, porque os motoristas não vão mais precisar dar a volta toda, aqui a distância é muito menor. Além disso, não dá para esquecer da agroindústria, porque para essas pessoas é muito importante ter por onde escoar a produção”, enfatiza.

A prefeita ainda comenta que ver a SC- 110 pavimentada é um sonho antigo e que agora está prestes a se realizar, já que o governador abriu o Pregão Eletrônico para contratação de empresa para elaboração do projeto. “É um sonho. Desde criança eu escuto isso e até hoje eu aguardo e com audiência do governador no início do ano e com o ofício encaminhado por ele liberando a licitação do projeto, daqui um ano ou um pouquinho mais, teremos o projeto em mãos para começar a grande obra que é a nossa tão sonhada SC-110, que liga o Alto Vale, que é maravilhoso, à região serrana também maravilhosa”, salienta.

Sergio Antonio Macedo mora há muitos anos às margens da rodovia. Ele trabalha como pedreiro e conta que já são mais de 30 anos de espera pela obra. “Ali já teria que ter asfalto porque é muito movimentado, passam muitos carros, caminhões porque usam para transportar a produção das lavouras de soja, milho, madeira, pois é um trecho muito mais perto para vir para cá e quem vai de Ituporanga para Lages, por exemplo, também diminui muito a distância e o tempo na estrada. Se for para dar a volta por Alfredo Wagner demora muito, é longe”, avalia.

O pedreiro também trabalha como borracheiro. Sergio comenta que em um único dia já chegou a arrumar quase 50 pneus. “Tenho uma borracharia debaixo da serra pra socorrer a turma e em um domingo eu cheguei a arrumar 46 pneus, quando é temporada dos açudes ali em cima, da Klabin, a turma acampa muito, fica muito movimentado”, conta.

Além de todas as dificuldades com a manutenção da estrada em razão do fluxo intenso de veículos e preocupação com as condições do tempo, outro problema é em relação a poeira. “O pó é insuportável, tem dias que a gente reza para dar uma chuvinha, porque não dá para ter nada limpo, nem mesmo estender as roupas no varal, só em local fechado mesmo. A casa nem se fala, limpa agora e dentro de 10 minutos tudo está empoeirado novamente e assim é o dia inteiro, mês inteiro e ano inteiro. Nós aqui aguardamos esse asfalto há mais de 30 anos e até hoje não ganhamos, estamos comendo poeira”, finaliza Sergio.