Política

Reportagem: Kelley Alves

O primeiro fato importante que marcará as eleições deste ano no estado acontece neste sábado, com as prévias do MDB. O maior partido de Santa Catarina divulgará quem será o pré-candidato a governador. A Comissão Eleitoral, reunida na sede do partido em Florianópolis, na semana passada, homologou os nomes de Valdir Vital Cobalchini, Dário Elias Berger e Antídio Aleixo Lunelli, conforme a ordem de inscrição, para a disputa que definirá o nome do pré-candidato a governador do partido.

O prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli, está percorrendo as regiões em busca de apoio junto a base do partido. Esteve nesta terça-feira (15) em Rio do Sul, onde visitou a sede do Diário Alto Vale (DAV) e falou sobre a briga interna do partido e possível aliança com o governador Carlos Moisés. Também comentou sobre a estrutura do MDB e a visão sobre o governo Jair Bolsonaro. Acompanhe alguns trechos desta entrevista, que está disponível na íntegra, em imagens, nas redes sociais do DAV.

Prévias

Questionado sobre o porquê decidiu disputar as prévias, o prefeito reeleito de Jaraguá do Sul, que chegou a ser considerado o terceiro mais rico do Brasil, após declaração de bens, disse que a base do partido quer renovação. “E eu represento esta novidade. Estou na política, mas não tanto tempo assim. Venho de família humilde. Como prefeito, conseguimos avanços significativos. A base quer algo novo por isso já tenho esse sentimento de vitória”, ressalta, confiante.

MDB com Carlos Moisés

A divisão do partido ocorre principalmente porque deputados defendem uma aliança com o atual governador Carlos Moisés. O anseio já era esperado, já que o partido participa do governo e tem secretarias importantes como a da Educação, representada por Luiz Fernando Cardoso, Vampiro. Antídio, entretanto, defende que o MDB tenha candidato próprio.

“Não tenho nada contra o governador. É uma pessoa querida e simpática. Acontece que os nossos nove deputados e o secretário Vampiro apoiaram o governo para dar sustentabilidade”, enfatiza o prefeito de Jaraguá.

Segundo ele, Moisés não quis se filiar à sigla e, por este motivo, uma possível aliança poderia enfraquecer a sigla.

“Moisés foi convidado para vir para o MDB. Mas quer ir para um partido menor e ter aliança conosco. Mas hoje somos o maior partido do estado. Não podemos jogar toda essa história no lixo. Temos condições de ter candidatura própria e ganhar as eleições. Não podemos vender o partido. Como as coisas estão colocadas fica a impressão de que estão querendo negociar o MDB”, disparou, ainda, o emedebista.

Alianças

Segundo Lunelli, possíveis composições serão discutidas após as prévias, desde que o partido esteja na cabeça de chapa. “Gostaria de ter chapa pura, mas não temos mais a musculatura que tínhamos no passado. Precisamos compor. Só acho que o MDB não pode ser vice. Precisamos definir o pré-candidato e, depois, definir as composições”, antecipa.

“Jair Bolsonaro deveria respeitar mais a ciência”

O presidente Jair Bolsonaro foi padrinho político de Lunelli. Mas, se no passado ele defendeu categoricamente as ideias bolsonaristas, hoje a “nota” é 7.

“Sempre fui o primeiro a fazer campanha para o presidente Jair Bolsonaro. Tive muita simpatia, mas hoje entendo que ele tem questões que não deveria se manifestar. Faz muito varejinho da política quando deveria focar em questões centrais do Brasil”, critica. O emedebista também deu ênfase às vacinas e comentários do presidente a respeito da eficácia delas. “Ele deveria também respeitar mais a ciência. Já teve nota 10 comigo, hoje tem 7. Continua na média, mas poderia estar melhor”, lamenta.

O nome do vencedor das prévias, realizadas simultaneamente em todas as cidades de Santa Catarina, das 9h às 15h, do dia 19 de fevereiro, será o pré-candidato ao Governo do Estado, conforme definição do Diretório Estadual do partido no dia 23 de agosto, em Florianópolis.

Conheça um pouco da trajetória dos candidatos inscritos para as prévias:

Valdir Vital Cobalchini: Líder da bancada do MDB, Cobalchini está no seu terceiro mandato na Assembleia Legislativa. O deputado já presidiu o Diretório Estadual do partido e chefiou a Secretaria de Estado da Infraestrutura.

Dário Elias Berger: Natural de Bom Retiro, Dário foi vereador em São José e duas vezes prefeito da cidade. Em 2004 elegeu-se prefeito de  Florianópolis, sendo reeleito no pleito seguinte. Em 2014, Berger foi eleito senador pelo MDB.

Antídio Aleixo Lunelli: Nascido em Corupá, Lunelli foi o eleito pela primeira vez em 2016 para assumir a prefeitura de Jaraguá do Sul. Em 2020 ele se tornou o primeiro prefeito reeleito da cidade. Antídio ocupa também a presidência da Associação de Prefeitos do MDB.