Cidade

A Estrada São José, localizada no bairro Taboão, em Rio do Sul, será interditada a partir de segunda-feira (10). A decisão foi tomada por conta do alto volume de materiais e da movimentação de máquinas e operários que trabalharão nas obras do muro de contenção da via. A construção irá durar 120 dias, e durante esse período, os rio-sulenses devem buscar rotas alternativas de acesso, como as ruas do bairro Boa Vista ou Santana.

A empreiteira que venceu o processo licitatório é a BFA Multiempresa, de Atibaia (SP). A obra terá 150 metros de extensão e altura variável de 1,5 metros até 4,5 metros. Ao todo, o investimento será de R$ 540.465,13, e os recursos para a realização das melhorias foram liberados pelo Ministério da Integração Nacional. “Esse é um recurso que foi encaminhado em 2015 ao Ministério da Integração Nacional, e foi liberado o dinheiro agora em 2016 para a gente fazer essas obras”, explica o engenheiro civil da Defesa Civil de Rio do Sul, Fábio Freire.

De acordo com o engenheiro, o muro de contenção irá trazer mais segurança à população, além de resolver os problemas de deslizamentos que ocorrem no local desde 2011. “Nesse evento [enchente] não teve ocorrência lá, mas já houve deslizamentos em outros anos”, conta Freire. Ainda, segundo ele, o trecho é bem íngreme, e será totalmente interditado porque não há onde descarregar o material senão na própria via. “Vai ser totalmente fechada porque a gente não tem onde descarregar o material. Ela é muito estreita, então eu sou obrigado a descarregar na própria via”, ressalta.

 

Importância da obra

O maquinário começa a trabalhar a partir desta segunda-feira (10), mas os materiais já estão no local desde a manhã de sexta-feira (7). Para o engenheiro civil, as melhorias são necessárias para a estabilização da via, ainda que ela seja secundária. “É um muro de contenção onde eu consigo fazer a estabilização de uma via, uma via que é secundária, mas é de grande importância, visto que é o espaço mais curto que a população tem para chegar até o Centro sem precisar dar muita volta, caso contrário, tem que passar pela transenchente no Boa Vista ou Taboão”, conclui.

Carolina Ignaczuk