Cidade

Para discutir o impacto da ciência e o papel dos cientistas na sociedade, cinco vencedores do Prêmio Nobel se reuniram virtualmente com 80 estudantes de cerca de 20 países da América Latina e do Caribe. O evento, organizado pelo Nobel Prize Outreach, pela Academia Brasileira de Ciências (ABC) e pela Rede Interamericana de Academias de Ciências (IANAS), aconteceu nesta terça-feira (16) e foi transmitido para uma audiência global. O Brasil era o país com o maior número de representantes. Entre os 16 selecionados estava Heloísa Gabriela Paterno, do curso de Licenciatura em Matemática do IFC de Rio do Sul.

A jovem conta que já estava ansiosa com a participação e para conversar com Saul Perlmutter, que é astrofísico e laureado com o Nobel de Física em 2011. “Sou apaixonada pelo espaço e astronomia, e a pesquisa pela qual ele recebeu o Nobel é justamente sobre a expansão do universo e energia escura,” comentou.

Ela fez a inscrição no edital por incentivo do professor do curso e por ser envolvida com ativismo e projetos sociais na área de educação e divulgação científica, acabou aceitando a oportunidade imediatamente. “Sempre estou pensando no impacto que a ciência tem e pode ter, e como fazer uma ponte entre a população e as contribuições científicas, e é exatamente isso que o evento propõe discutir”.

De acordo com o professor Bruno Henrique Labriola Missé, o curso de Licenciatura em Matemática do Campus Rio do Sul sempre teve o compromisso de manter a unicidade entre o Ensino, Pesquisa e Inovação e a Extensão, por esse motivo, desde o primeiro semestre, os alunos são orientados a desenvolver pesquisas autorais e se envolver no universo da Ciência.

Para Bruno, o Edital conjunto PROPI, PROEX e PROEN 78/2021 foi uma possibilidade de os acadêmicos participarem de um encontro com os laureados com o prêmio Nobel, uma experiência única para o acadêmico que tem o perfil de educador e pesquisador. “Neste sentido, ficamos muito orgulhosos de nossa Heloísa Gabriela Paterno que foi escolhida para esse momento tão importante”, completou o professor, que coordena o curso de Licenciatura em Matemática.

Participantes

O Diálogo Prêmio Nobel América Latina e Caribe teve a presença de nomes de peso como a microbióloga francesa Emmanuelle Charpentier, vencedora do Nobel de Química em 2020 por criar, junto com a norte-americana Jennifer Doudna, uma ferramenta revolucionária capaz de editar a estrutura do DNA humano, que ficou conhecida pelo acrônimo CRISPR. Além de Charpentier, participaram do encontro a australiana Elizabeth Blackburn e a norueguesa May-Britt Moser, vencedoras do Nobel de Medicina em 2009 e 2014, respectivamente; o norte-americano Saul Perlmutter, Nobel de Física em 2011; e o holandês Bernard Feringa, Nobel de Química em 2016.

No encontro, os laureados estavam reunidos com 80 estudantes de graduação e pós-graduação de quase todos os países da América Latina e do Caribe. Divididos em cinco salas virtuais, eles debateram questões como a responsabilidade dos cientistas e a construção de diálogos entre a ciência, os atores políticos e a sociedade. Os cinco Prêmio Nobel também vão propor desafios científicos aos jovens e responderão a questões propostas pelos estudantes.

Este é o segundo encontro da parceria entre o Nobel Prize Outreach e a ABC, desta vez com estudantes da América Latina e do Caribe no evento, trazendo mais pluralidade para as discussões. A região enfrenta desafios como mudanças climáticas, instabilidade política e desigualdades sociais, além de ter sido uma das que mais sofreram as consequências da pandemia da Covid-19 no mundo.

O programa fá moderado pelo diretor científico da Nobel Prize Outreach, Adam Smith, e o professor de psicologia clínica integrativa e membro do comitê do Prêmio Nobel Juleen Zierath. O evento é organizado pelo Nobel Prize Outreach, pela Academia Brasileira de Ciências e pela Rede Interamericana de Academias de Ciências com o apoio dos parceiros internacionais do Nobel: 3M, ABB, Capgemini, Ericsson e Scania.