Cidade
Foto: Divulgação

Rio do Sul receberá no dia 24 deste mês o III Seminário Municipal da Não Violência Contra a Mulher. O evento acontecerá no auditório do Instituto Federal Catarinense (IFC), localizado no bairro Jardim América, e tem como objetivo capacitar os profissionais que atuam com a prevenção e proteção de mulheres em situações de violência.

O evento faz parte do planejamento de ações de 2017 da Rede de Atendimento às Mulheres em Situações de Violências de Rio do Sul, que atua em parceria com o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher. Um dos temas que será abordado pelo seminário é a notificação compulsória, que é fundamental para o registro de dados, serviços e criação de políticas públicas. A enumeração de registros é feita principalmente pelos trabalhadores da área de saúde. A palestra sobre o tema, prevista para as 15h50, irá mostrar como preparar a documentação e compilação de dados.

A abertura do seminário está programada para às 13h, e às 13h30 haverá a apresentação da Rede com a assistente social e coordenadora da entidade, Claudia Fronza da Silva. Já a palestra “Enfrentamento das violências, a importância da rede intersetorial”, ministrada pela assistente social e especialista em saúde pública, Gladis Helena da Silva, acontece às 14h.

Após o intervalo para o café, às 15h50 haverá uma nova palestra com Gladis Helena da Silva, que dessa vez abordará o tema “Notificação Compulsória de Violência Interpessoal e Autoprovocada”. Às 17h o evento será aberto para debates e o encerramento está programado para às 17h30.

Ao todo, são 250 vagas direcionadas para um público específico. Delas, 150 são destinadas a servidores da saúde e 100 aos representantes de instituições, Polícia Militar, delegacia especializada, Poder Judiciário, entre outras entidades. Esta é a terceira vez que o seminário, organizado pela Rede de Atendimento às Mulheres em Situações de Violências de Rio do Sul, acontece no município. No primeiro evento houve a divulgação da Rede e do seu trabalho de prevenção. Já no segundo encontro, foi realizada a formação de mesa de debates para discussão do fluxo de atendimento, dificuldades e avanços. “Agora iremos orientar sobre o funcionamento da Rede”, destaca a coordenadora da entidade, Claudia Fronza da Silva.

Carolina Ignaczuk