Cidade
Foto: Divulgação

Reportagem: Rafaela Correa/DAV

No início desta semana alunos de toda a rede de ensino começaram o ano letivo de 2022. Em Rio do Sul, na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), o início das aulas também deveria ter ocorrido, mas infelizmente não foi possível em razão da falta de professores.

O diretor administrativo da Apae de Rio do Sul, Jean Marcos Baumer, explica que a contratação dos professores temporários é feita através de processo seletivo organizado pela Federação Catarinense de Educação Especial (FCEE), do Governo do Estado de Santa Catarina. Este ano o processo foi realizado em 9 de janeiro, o que acabou gerando um atraso para a divulgação dos resultados e consequentemente na contratação.

“O que acontece é que as Apae’s de Santa Catarina mantém um convênio com a Federação Catarinense de Educação Especial, com o Governo do Estado para que haja cedência de professores. Esses professores temporários, os ACT’s, passam por um processo seletivo e o processo seletivo atrasou, só ocorreu no dia 09 de janeiro. O resultado deveria ter saído no dia 09 de fevereiro, mas a gente já teve uma reunião com a Federação e o resultado deve sair apenas no dia 11. Depois da divulgação do resultado ainda temos um processo de chamada dos classificados e após a chamada, o processo de contratação”, esclarece.

Para a Apae de Rio do Sul, por exemplo, o atraso é um problema que implicou no início do ano letivo, uma vez que a maior parte dos profissionais é contratada de forma temporária.

“Isso acaba atrasando o início do trabalho dos professores temporários e para a Apae isso é algo bem complicado. Em Rio do Sul, mais de 90% dos nossos professores são temporários e a gente não consegue fazer uma retomada com 100% dos alunos”, afirma.

O diretor comenta que já foi realizada uma reunião com a Federação Catarinense, mas que até o momento não há uma previsão definitiva de data para retorno das aulas.

“Estamos aguardando porque a Fundação Catarinense nos prometeu dar celeridade ao processo de chamada e contratação para que a gente possa retornar com os atendimentos pedagógicos 100% presenciais. Então estamos no aguardo desse processo ocorrer para poder divulgar oficialmente uma data de retorno com 100% dos alunos, por enquanto estamos atrelados a essa situação e não conseguimos retornar com todos os alunos”, completa.

Obras de ampliação

A falta de espaço físico nas Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) é uma realidade difícil em várias unidades do Alto Vale, em Rio do Sul não é diferente. No município, uma ampliação foi iniciada em 2017, mas ainda não foi concluída por falta de recursos. A expectativa é que com ajuda do Estado os trabalhos sejam finalizados.

O diretor administrativo da Apae, Jean Marcos Baumer, afirma que a instituição encontra dificuldades para executar seus trabalhos, visto que há uma demanda crescente de atendimentos.

“A gente tem a intenção de organizar salas de aula e de atendimento para equipe multiprofissional para atendimentos de fonoaudiologia, fisioterapia, psicologia e assistência social. Iniciamos uma ampliação em 2017, que parou na construção de salas, foi feita apenas a parte estrutural externa e agora tem toda a parte de acabamentos das salas por fazer”, conta.

Questionado sobre a possibilidade de uma continuidade nos serviços, ele afirma que só seria possível com a ajuda prometida em outubro pelo Estado, durante agenda do governador Carlos Moisés no Alto Vale, quando ele anunciou R$1,8 milhão para a Apae de Rio do Sul. Sozinha a unidade não teria condições de bancar a continuidades das obras.

“A gente depende desses recursos para poder continuar com a nossa ampliação, que vai beneficiar todos os alunos com as salas de aula, salas de atendimento pedagógico e especializado. Hoje a gente já tem uma demanda muito grande por essas salas. Estamos contemplando também a questão de um ginásio coberto para atividades esportivas e culturais que são uma necessidade antiga, porque só conseguimos fazer alguma coisa quando solicitamos cedência de espaço de outros locais, como colégios”, finaliza.