Alto Vale
Foto: Gabriel Antonio

Cláudia Pletsch/DAV

Um pequeno grande guerreiro. Essa pode ser a frase que define o Benício, de apenas um ano e quatro meses, que convive com uma doença rara que o impede de ingerir qualquer alimento. A chamada Síndrome de Enterocolite Induzida por Proteína Alimentar (Fpies ), causa alergia a proteína dos alimentos, fazendo com que a ingestão provoque fortes vômitos, diarreias, fraqueza e palidez, podendo até evoluir para quadros mais graves
A moradora de Lontras,Cristiane Varela, mãe do Benício, explica que a luta pela vida do pequeno começou desde cedo, pois logo após o nascimento do filho ela acabou ficando sem leite materno, e quando passou a dar uma fórmula alimentar infantil em casa ele começou a passar mal. “Quando deu 40 dias do nascimento dele meu leite secou, e foi onde a gente começou a dar uma fórmula em casa, aí ele começou a passar mal com vômitos em jato, cerca de seis, sete e até 10 vezes por dia. Então a gente foi investigar e a princípio os médicos disseram que era só um refluxo muito forte, então tratamos com medicamentos, trocamos a fórmula mas não estabilizava. Tiveram momentos em que a gente dava apenas um mingau de farinha com água pois ele não suportava mais nenhum alimento”, conta.
A mãe ainda relata que os quadros de diarreia, assaduras e vômitos voltavam a acontecer sempre que o pequeno ingeria algum alimento, e que o primeiro diagnóstico foi Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV), mas mais tarde ele foi diagnosticado com a Fpies que é uma doença ainda mais grave, e consiste na alergia a proteína de outros alimentos, inclusive frutas. “Quando o Beni tinha sete meses a gente consultou com uma especialista em gastrointestinal infantil e ela diagnosticou com APLV, então ele começou a tomar uma fórmula especial e a gastro começou a introdução alimentar. O primeiro alimento que o Beni comeu foi a banana e ele passou muito mal, ele vomitou tanto que chegou quase desmaiar. Passados 15 dias quando ele estava melhor tivemos que tentar introduzir outro alimento, tentamos a manga e ele passou mal novamente”, explica.
Ela lembra que em um determinado momento conheceu um grupo de mães que começou a auxiliá-la através da próprias experiências com seus filhos que também sofriam com a doença, e a partir daí pediu uma internação para o pequeno com o objetivo de investigar o motivo pelo qual ele não conseguia se alimentar. Benício então ficou 12 dias internado, e Cristiane conta que depois de 12 dias eles voltaram para casa sem nenhuma resposta. “Um dia uma mãe indicou uma médica em Curitiba e quando chegamos lá ela disse que nosso filho era Fpies, que ele não só tinha alergia a proteína do leite, mas dos outros alimentos também, e os 40 dias depois dessa consulta foram os piores pois aí o Beni passou muito mal e ninguém nos auxiliava. Isso foi destruindo a gente pois é muito difícil você ver seu filho muito mal e não ter respostas”, conta.
Cristiane afirma que algum tempo depois uma mãe do grupo que ela faz parte entrou em contato indicando um médico especialista na doença e que possui um centro de tratamento especializado em São Paulo. Ela diz que já conseguiu marcar a consulta e agora precisa arrecadar um valor de pelo menos R$ 10 mil reais para pagar essa consulta, os exames e a hospedagem na cidade. “Beni é uma criança muito forte, ele está indo para a terceira semana que não bebe mais de 500ml de leite por dia e não se alimenta, então a gente não sabe como ele está de pé ainda, tem dias que a gente vê que ele fica mais abatido, que ele está esgotado. Isso vai corroendo a gente então eu tomei coragem para pedir ajuda e para a gente trazer respostas pois viver assim não dá e a gente não sabe até quando ele vai ser forte”, finaliza.
Para ajudar a família é possível contribuir em uma vaquinha virtual através do link: https://abacashi.com/p/ajude-o-beni-a-comer ou até mesmo através de depósito bancário.

Conta Caixa Econômica Federal Cristiane Varela

Número da conta: 00117922-7

Agência: 0423

Poupança: 013

CPF: 07570735900