Alto Vale
Foto: Maruza Hosang

Cláudia Pletsch/DAV

A publicação de uma moradora de Taió ganhou repercussão nas redes sociais, mas não por um bom motivo. Maruza Hosang denunciou através de imagens o descaso de parte da população com relação ao descarte de resíduos na cidade. Ela organizou uma ‘Feira do lixo’ na rua Joaquim Moratelli no bairro Vila Mariana para chamar a atenção sobre o tema.
Maruza conta que as imagens são o retrato do que acontece também em outros locais do município. O terreno onde ela fez as fotos é de propriedade da família e a mulher garante que eles sempre buscam mantê-lo limpo, mas nessa semana após contratarem um jardineiro para fazer a limpeza do local a quantidade de lixo jogada de forma ilegal impressionou.
Ela lembra que a ideia de colocar todo o material em exposição e fazer fotos e postar nas redes sociais foi do próprio jardineiro e o intuito era causar espanto nas pessoas que passam pelo local e naqueles que usam o terreno para fazer o descarte.
A moradora conta que foram encontrados todos os tipos de materiais, desde eletrodomésticos até roupas e móveis. “Acredito que alguns moradores que não querem mais uma peça resolvem ir jogando, escondendo atrás de uma árvore, atrás de uma planta. Agora para tentar resolver o problema eu vou colocar lixeiras no terreno para ver se pelo menos eles colocam na lixeira. A maioria desse material é de reciclável, nós temos em Taió a empresa que faz a coleta, temos vários catadores também, então é falta de conscientização mesmo”, explica.
A denúncia de Maruza trouxe à tona outros depoimentos de descaso. Segundo Sarquis Rodrigo Souza, que também é morador da cidade, todos os meses ele precisa solicitar na prefeitura a limpeza em frente a sua própria residência. “A Prefeitura sempre vem e limpa, o grande problema é que essa atitude não tem nenhuma punição então não adianta nada. A prefeitura vem, faz a limpeza e passa um tempo já está cheio de lixo novamente”, explica.
Segundo o diretor de Comunicação Social da prefeitura de Taió, Marco Sehnem, o Executivo presta o serviço de recolhimento regularmente e se adapta a necessidade dos bairros. “Conforme o andamento a gente vai vendo qual é a necessidade de cada rua, se há a necessidade de passar em outro período, ou algo do gênero”, comenta.
Maruza diz ainda que em breve vai retirar o lixo do local, mas que o período em que foi deixada a ‘feira do lixo’ foi necessário para causar vergonha e espanto à aqueles que descartam de forma inadequada os materiais nem terrenos públicos e privados