Alto Vale
Foto: Divulgação

Reportagem: Helena Marquardt/DAV

Apoiadores do movimento feminista da região que se inscreveram para participar da palestra que terá a presença da deputada estadual, Ana Campagnolo (PSL) nesta quinta-feira (1º) em Ibirama e que tem como tema Feminismo–Perversão e Subversão, tiveram sua participação cancelada um dia antes do evento alegando que o público teve que ser limitado por conta da pandemia e que a prioridade será para pré-convidados.

Uma das mulheres que teve a participação negada e preferiu não se identificar conta que não tem as mesmas opiniões de Ana Campagnolo, mas que se inscreveu na palestra para entender melhor o posicionamento da deputada e ter um debate amigável sobre o tema. Para sua surpresa recebeu uma mensagem dizendo que a sua a participação estava cancelada. “Fiquei interessada em ir para saber como seria, o que a Ana iria falar, por mais que meus pensamentos não sejam muito condizentes com os dela. A intenção era ter um debate amigável. Fiz minha inscrição na segunda-feira com a pessoa que está administrando o evento e não foi me passado número de inscrição nem nada disso. Simplesmente hoje recebi uma mensagem falando que minha vaga seria cancelada”.

Nas conversas que circularam nas redes sociais a organização alegou que o cancelamento das vagas ocorreu por causa da pandemia e que a presença do público precisou ser limitada ainda que o local seja bastante amplo. “Achei muito estranho isso porque a situação da pandemia não mudou desde segunda-feira, continua a mesma coisa. Perguntei se a palestra seria cancelada e ele disse que não. Perguntei se era por ordem de chegada e me disse também que não, que já tinham pré-convidados. Outras pessoas que fazem parte de um grupo feminista que participo receberam a mesma mensagem”, relata.

Ela acredita que a organização soube que o grupo feminista tinha a intenção de ir ao evento e discutir e conversar, por isso a participação de algumas pessoas acabou sendo cancelada de última hora. “Me parece que foram cancelando as participações para nos calar, para fazer um tipo de censura. O pior disso tudo é que o tema é feminismo e como uma pessoa que é contrária, com unhas e dentes e se posiciona sobre isso nas redes sociais vai fazer uma palestra sobre feminismo?” questiona.

Na palestra a historiadora e professora fala especialmente de seu livro com o mesmo tema e revê a trajetória do feminismo, confrontando as alegadas motivações e supostas conquistas do movimento com suas reais consequências na história cultural do Ocidente e, em especial, do Brasil.

O que diz a organização do evento?

Procurado pela reportagem o vereador ibiramense Jorge Eli (PL), que é um dos organizadores do evento declarou que inicialmente eles acreditaram que a palestra poderia ter 50% da capacidade de público do local, mas isso não se confirmou. “A portaria diz que no máximo pode ter 100 pessoas, mas a gente achava que era 50% da capacidade do local e já vínhamos conversando com pessoas próximas que já eram pré-convidadas e admitimos alguns depois que entraram em contato conosco, mas para atender esse número fomos obrigados a cortar. Como a deputada é muito conhecida teve uma procura muito grande”, disse.

Ele declarou ainda que a palestra é voluntária e não há uma organização profissional envolvida. “Conforme eu ia recebendo o contato das pessoas e eu ia tendo tempo fui colocando na lista, numa ordem que a gente mesmo fez, mas infelizmente tivemos que cortar alguns, não tivemos outra alternativa. Não houve uma pré-seleção de pessoas porque nenhum deles entrou em contato comigo dizendo que é contrário ao evento”.

A palestra será realizada a partir das 19h no Recreativo Hamonia.